Israel envia jatos em direção à Síria

Israel despachou vários aviões caça em direção à sua fronteira com a Síria após uma aeronave síria desaparecer das telas de radar da força aérea israelense, oficiais militares israelenses disseram no domingo, refletindo o estado de elevada tensão entre os dois lados por causa do reportado ataque aéreo israelense na Síria este mês.

Os jatos israelenses, que não entraram no espaço aéreo sírio, retornaram às suas bases minutos mais tarde quando ficou claro que a aeronave síria havia caído. O incidente aconteceu no sábado, que era o Yom Kippur, o mais santo feriado judaico, quando a força aérea israelense não coloca nenhum caça no ar a menos que seja absolutamente necessário.

O dia também marcou, de acordo com o calendário judaico, o 34° aniversário do início da guerra do Oriente Médio em 1973, quando os exércitos da Síria e Egito lançaram um ataque surpresa sobre Israel no feriado.

O exército israelense não comentou o incidente do sábado. Os oficiais que falaram ao Associated Press o fizeram em condição de anonimato pois não estavam autorizados a discutir informação militar confidencial com a mídia.

Na quinta-feira, jatos israelenses foram enviados ao norte das Colinas de Golã, ao longo da fronteira com a Síria, quando “atividades suspeitas” foram relatadas na área, disseram os oficiais militares. Mais tarde descobriu-se que os objetos eram aves migratórias, disseram os oficiais.

Grandes números de aves migratórias podem se parecer com aviões espiões controlados remotamente nas telas de radar da força aérea, disseram os oficiais.

As tensões entre Israel e a Síria se aqueceram este mês após relatórios de um ataque aéreo israelense no norte da Síria em 6 de setembro. A mídia estrangeira diz que o alvo de Israel eram armas destinadas ao Hezbollah no Líbano ou um projeto nuclear conjunto entre a Síria e a Coréia do Norte. A Síria negou ambos mas anunciou uma incursão, mas Israel se recusou a comentar.

Israel considera a Síria um de seus maiores inimigos e acusa Damasco de apoiar as organizações Hamas e Hezbollah, que têm bases lá. A despeito das tensões recentes, o Primeiro Ministro Ehud Olmert pediu, na semana passada, a reabertura das conferências de paz, sem condições, entre os dois adversários.

Negociações anteriores desmoronaram devido à exigência da Síria pela devolução de Golã, um platô estratégico que Israel capturou na guerra do Oriente Médio em 1967. Israel ofereceu voltar para a fronteira internacional, mas a Síria insistiu em também controlar outra pequena faixa de território – a orla ocidental do Mara da Galiléia, que Israel capturou durante a guerra de 1948-49 que acompanhou sua criação.

As negociações também falharam sobre a extensão das relações pacíficas que a Síria ofereceria.