Jerusalém: Um Cálice de Tontear

A História de Jerusalém

Jerusalém, o enigma histórico: Jerusalém é frequentemente chamada de a Cidade de Davi. Foi o rei de Israel que, sob orientação de Deus, comprou uma eira por 600 ciclos de ouro de Ornã (ou Araúna) o Jebusita. Ornã queria doar a terra, mas Davi insistiu em pagar o preço por um título claro de propriedade do que são hoje os mais estratégicos 35 acres (142.000 m 2 ) sobre a terra – o Monte do Templo. Foi nesse lugar que Davi construiu um altar e ofereceu sacrifícios. E foi nesse mesmo lugar que seu filho Salomão foi instruído a construir o Templo de Deus. Jerusalém se tornou o único lugar na terra onde a presença manifesta de Deus habitou – no Lugar Santíssimo do Templo de Salomão.

Por isso a cidade é mais do que um monte de terra, ou pedras, ou edifícios, ou cultura, ou tradições ancestrais para os filhos de Israel. Sem Jerusalém, o Judaísmo não tem qualquer significado. Sem Jerusalém, o Deus de Israel não tem um lugar para se encontrar com Seu povo. De fato, sem Jerusalém, o Povo Escolhido sente como se sua experiência não tivesse validade. Esta é uma carga quase que demasiadamente pesada para uma cidade carregar, ainda assim, essa carga é para sempre uma parte do legado de Jerusalém. E assim tem sido por mais de três mil anos, desde a sua fundação pelo maior rei de Israel. O amor por esta cidade e tudo que ela representa, preservou os Israelitas como um povo peculiar através dos séculos.

Todos os anos, nos lares dos Judeus da Diáspora em todo o mundo, a Páscoa termina com a oração “No próximo ano em Jerusalém”. No ano 70 AD, os Romanos destruíram o Templo Judeu por completo. O ouro que o decorava derreteu por entre as massivas pedras do próprio templo. Para retirar esse ouro, os soldados virtualmente o demoliram, pedaço por pedaço. Assim a profecia de Jesus de 37 anos antes se cumpriu literalmente. Ele disse que “não sobraria pedra sobre pedra”. O templo, o lugar do trono terreno de Deus, se perdeu para os Judeus. Tudo o que restou foi a esperança do ‘próximo ano em Jerusalém’.