Gogue e Magogue

“VEIO a mim a palavra do Senhor, dizendo: Filho do homem, dirige o teu rosto contra Gogue, terra de Magogue, príncipe e chefe de Meseque, e Tubal, e profetiza contra ele. E dize: Assim diz o Senhor Deus: Eis que eu sou contra ti, ó Gogue, príncipe e chefe de Meseque e de Tubal; E te farei voltar, e porei anzóis nos teus queixos, e te levarei a ti, com todo o teu exército, cavalos e cavaleiros, todos vestidos com primor, grande multidão, com escudo e rodela, manejando todos a espada; Persas, etíopes, e os de Pute com eles, todos com escudo e capacete; Gômer e todas as suas tropas; a casa de Togarma, do extremo norte, e todas as suas tropas, muitos povos contigo. Prepara-te, e dispõe-te, tu e todas as multidões do teu povo que se reuniram a ti, e serve-lhes tu de guarda. Depois de muitos dias serás visitado. No fim dos anos virás à terra que se recuperou da espada, e que foi congregada dentre muitos povos, junto aos montes de Israel, que sempre se faziam desertos; mas aquela terra foi tirada dentre as nações, e todas elas habitarão seguramente. Então subirás, virás como uma tempestade, far-te-ás como uma nuvem para cobrir a terra, tu e todas as tuas tropas, e muitos povos contigo.” Ezequiel 38.1-9

“E enviarei um fogo sobre Magogue e entre os que habitam seguros nas ilhas; e saberão que eu sou o Senhor.” Ezequiel 39.6

No futuro próximo, uma nuvem escura descerá sobre a pequena nação de Israel. Essa nuvem é um exército enorme formado de uma aliança militar liderada pela Rússia e seus aliados que incluem: Iran, Iraque, Afeganistão, Etiópia, Sudão, Líbia, Áustria, Alemanha, partes da Europa Oriental, Sudoeste da Europa, Turquia e várias outras nações. Está tudo na Bíblia e foi predito milhares de anos atrás pelo profeta Ezequiel. Essa é a famosa invasão de Magogue, ela acontecerá, as alianças estão se realizando. Em breve Deus porá o em sua boca e arrastará esse exército para a batalha...


Identificando Gogue e Magogue

“VEIO a mim a palavra do Senhor, dizendo: Filho do homem, dirige o teu rosto contra Gogue, terra de Magogue, príncipe e chefe de Meseque, e Tubal, e profetiza contra ele. E dize: Assim diz o Senhor Deus: Eis que eu sou contra ti, ó Gogue, príncipe e chefe de Meseque e de Tubal; E te farei voltar, e porei anzóis nos teus queixos, e te levarei a ti, com todo o teu exército, cavalos e cavaleiros, todos vestidos com primor, grande multidão, com escudo e rodela, manejando todos a espada;” Ezequiel 38.1-4

Assim começa o famoso capítulo 38 de Ezequiel...

Após o grande Dilúvio, Noé e seus três filhos repovoaram toda a terra. Claro que suas esposas ajudaram também! Mas, falando seriamente, nós todos descendemos de Noé e seus três filhos: Sem, Cão e Jafé. Então, de certo modo, somos todos parentes. Em Gênesis, capítulo 10, a Bíblia lista os 70 grupos tribais originais. Os estudiosos da Bíblia normalmente se referem a isso como A Tábua das Nações. Para entender apropriadamente Ezequiel 38 e 39, precisamos identificar Gogue, Magogue e seus aliados. A Bíblia é sempre a melhor fonte para entender a profecia. Assim, é da Tábua das Nações que começamos a conhecer a identidade de Gogue e Magogue.

Magogue era um dos filhos de Jafé.

“Os filhos de Jafé são: Gomer, Magogue, Madai, Javã, Tubal, Meseque e Tiras.” Gênesis 10.2

A maioria dos experts identifica Magogue como estando associado com os povos antigos conhecidos como “Scythians”. O historiador antigo, Flávio Josefo, claramente identifica Magogue: “Magogue fundou os Magoguianos, assim chamados por causa dele, mas que eram chamados pelos Gregos de Scythians.” Outra fonte confiável vem de Heródoto, conhecido como o “Pai da História”. Heródoto escreve sobre as práticas bizarras e selvagens dos descendentes de Magogue, conhecidos como Scythians. Eles bebiam o sangue do primeiro inimigo que matassem; levavam as cabeças de seus inimigos para seus chefes; eles escalpelavam seus inimigos e usavam seus escalpos como “guardanapos”; usavam a pele de seus inimigos para cobrir suas aljavas; bebiam no crânio de seus inimigos; praticavam a irmandade de sangue bebendo o sangue um do outro misturado com vinho. Os Scythians “banhavam-se” no vapor de sementes de maconha aquecidas. Quando seu rei morria, eles sacrificavam uma de suas concubinas e vários servos. Após um ano, comemoravam sua morte sacrificando cinqüenta servos e cinqüenta cavalos. E você pensava que morava numa vizinhança ruim!

Conhecemos os descendentes de Magogue através de seu nome Grego, Scythians. Na mitologia Grega, os Scythians descendiam de Scythes, o mais novo dos três filhos de Hércules, de se deitar com uma meio-víbora e meio-mulher. O nome Scythian cobre várias tribos nômades das estepes Russas, uma área fértil da Ucrânia, ao norte do Mar Morto. Outras tribos aparentadas ocuparam a área a leste do Mar Cáspio. A área abrangida pelos Scythians se extendia do meio-Volga até os Urais do norte e além. Eles colonizaram a Média, Parta, Pérsia, Ásia Central e até à fronteira da China. Escritores Árabes confirmam que na língua Árabe a Grande Muralha da China é chamada de “a muralha de Al Magogue”, porque a muralha foi construída para barrar os exércitos invasores de Magogue. No total, uma área de cerca de 3.200 quilômetros quadrados. Então, claramente esta era a antiga União Soviética, atual Rússia.

Quem, então, é Gogue? Ele é, obviamente, o líder de Magogue, é o “príncipe de Rosh, Mesech e Tubal ”. Então, Gogue será o líder desse Exército comandado pela Rússia. A Bíblia não nos diz exatamente quem é Gogue. Chuck Missler, professor de Bíblia e autoridade internacional sobre a Rússia e o Oriente Médio, lança mais luz sobre a identidade de Gogue. Em seu livro, ‘A Invasão de Magogue’, ele descobriu uma provocante referência a Gogue no Livro de Amós, que tem sido largamente negligenciada. A tradução tradicional de Amós 7.1 diz o seguinte:

“O SENHOR Deus assim me fez ver, e eis que ele formava gafanhotos no princípio do rebento da erva serôdia, e eis que era a erva serôdia depois de findas as ceifas do rei.” Amós 7.1

Nossa Bíblia em português toma sua tradução do texto Masorético, uma fonte do século nove. Entretanto, uma tradução mais antiga do Velho Testamento para o Grego, conhecida como Septuaginta, incorpora uma leitura diferente de Amós 7.1:

“Assim me mostrou o SENHOR, e eis um bando de gafanhotos estava vindo, e eis que um dos gafanhotos devastadores era Gogue, o Rei.” Amós 7.1 (LXX)

A identificação de Gogue como rei dos gafanhotos teria profundas implicações. Provérbios 30.27 revela que “os gafanhotos não têm rei”, o que implica que os gafanhotos de Amós 7.1 não devem ser gafanhotos naturais, mas um expressão para outra coisa. Encontramos uma passagem similar em Apocalipse 9, onde os gafanhotos são descritos como tendo um rei, e são claramente demoníacos em natureza.

“E da fumaça vieram gafanhotos sobre a terra; e foi-lhes dado poder, como o poder que têm os escorpiões da terra. E foi-lhes dito que não fizessem dano à erva da terra, nem a verdura alguma, nem a árvore alguma, mas somente aos homens que não têm nas suas testas o sinal de Deus. E foi-lhes permitido, não que os matassem, mas que por cinco meses os atormentassem; e o seu tormento era semelhante ao tormento do escorpião, quando fere o homem. E naqueles dias os homens buscarão a morte, e não a acharão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles. E o parecer dos gafanhotos era semelhante ao de cavalos aparelhados para a guerra; e sobre as suas cabeças havia umas como coroas semelhantes ao ouro; e os seus rostos eram como rostos de homens. E tinham cabelos como cabelos de mulheres, e os seus dentes eram como de leões. E tinham couraças como couraças de ferro; e o ruído das suas asas era como o ruído de carros, quando muitos cavalos correm ao combate. E tinham caudas semelhantes às dos escorpiões, e aguilhões nas suas caudas; e o seu poder era para danificar os homens por cinco meses. E tinham sobre si rei, o anjo do abismo; em hebreu era o seu nome Abadom, e em grego Apoliom.” Apocalipse 9.3-11

Abadon, uma palavra Hebraica, significa:

. ruína, destuição (Jó 31.12);
. lugar de destruição, o Abismo, reino dos mortos (Jó 26.6, Provérbios 15.11);
. ocorre personificado (Apocalipse 9.11) como Abadon e é escrito em Grego como Apoliom, denotando o anjo príncipe do inferno. A Vulgata traduz o Grego Apoliom pelo Latim Exterminans (isto é, “destruidor”). A identificação de Abadon com Asmodeu, demônio da impureza, foi declarada, mas não provada.

Em Jó 26.6 e Provérbios 15.11, a palavra ocorre em conjunto com Sheol.

Assim, agora temos Gogue, regente da terra de Magogue (Rússia), rei dos gafanhotos, líder da invasão comandada pela Rússia a Israel, associado com o anjo príncipe do inferno, Satanás! Então, claramente, essa invasão Russa é, na verdade, outra tentativa de Satanás de subverter o plano de Deus.


Os Aliados

Identificamos Gogue e Magogue, mas quem são os outros membros que compõem essa massiva aliança militar que descerá sobre a pequena nação de Israel?

“E dize: Assim diz o Senhor Deus: Eis que eu sou contra ti, ó Gogue, príncipe e chefe de Meseque e de Tubal; E te farei voltar, e porei anzóis nos teus queixos, e te levarei a ti, com todo o teu exército, cavalos e cavaleiros, todos vestidos com primor, grande multidão, com escudo e rodela, manejando todos a espada; Persas, etíopes, e os de Pute com eles, todos com escudo e capacete; Gômer e todas as suas tropas; a casa de Togarma, do extremo norte, e todas as suas tropas, muitos povos contigo.” Ezequiel 38.3-6

Essa invasão de Magogue inclui uma série de aliados listados pelos seus nomes tribais:

Meshech: Meseque foi o sexto filho de Jafé, o filho de Noé. Ele é identificado com os antigos Mushki dos Assírios e os Muschoi dos escritores clássicos Gregos. Inscrições Assírias os descreve como habitantes da Frigia no norte da Anatólia (Turquia moderna). Heródoto identifica os Mushki com as montanhas a sudeste do Mar Negro, a parte nordeste da Turquia moderna. Josefo também identifica os descendentes de Meshech como habitantes da Turquia oriental. Alguns também ligam os Muschkoi com Mushkovi, o antigo nome da Rússia.

Tubal: Tubal foi o quinto filho de Jafé e irmão de Meseque. Inscrições Assírias do século 9 a.C. referem-se a Tubal a oeste de Meshech no leste da Anatólia. Heródoto também os coloca juntos no litoral sudeste do Mar Negro. Alguns associam Tubal com o nome Tobolsk da Rússia. Assim temos a Rússia e a maioria das nações que compunham a União Soviética.

Pérsia: a Pérsia inclui os descendentes de Elam, o primeiro filho de Sem, e é hoje o moderno Iran. O Iran era chamado de Pérsia até mudar de nome em 1935. O Iran é o principal aliado na lista de Ezequiel e o atual principal exportador do “Fundamentalismo Islâmico”. Então, a Pérsia cobre os atuais Iran e Iraque.

Cush: Cush refere-se à terra que se estende ao sul do Egito, usualmente traduzido nas Bíblias Portuguesas como “Etiópia”. Originalmente, Cush se referia a um pedaço de território se estendendo entre a segunda e a terceira cataratas do Nilo. Mais tarde, veio a referir-se a uma área maior conhecido como Núbia. Atualmente é visto como a área a que se refere como “África Negra”.

Há uma dúzia de materiais estratégicos essenciais ao mundo militar e industrial modernos que estão disponíveis em apenas duas regiões do mundo, Rússia e África. O Zaire, por exemplo, tem 95% da reservas mundiais conhecidas de cromo, 52% do cobalto, 53% do magnésio, 64% do vanádio e 86% da platina. Esse é o motivo pelo qual o Zaire é chamado de o “Golfo Pérsico dos Minerais”. Os Estados Unidos são quase totalmente dependentes de importações desses materiais críticos. É interessante notar que a África do Sul e a Rússia controlam acima de 90% do suprimento mundial de platina, acima de 90% do cromo e acima de 95% de vanádio. A Rússia é auto-suficiente em 26 dos 36 minerais considerados essenciais para uma sociedade industrial, importando somente três minerais importantes, a bauxita, o bário e o fluoreto. Então, temos a Etiópia e partes da África Central e do Sul.

Put: Pute, o próximo aliado de Magogue em Ezequiel 38, é o terceiro filho de Cão, o filho de Noé. Josefo o identifica como o fundador da Líbia, cujos habitantes eram chamados de Putitas. Pute é associado com a África do Norte, populada pelos Berbes e tribos distintas de Cush. Pute abrangia a área da Líbia dos nossos dias à Mauritânia e ao Mahgreb: Algéria, Tunísia e Marrocos. Então, temos Líbia, Algéria, Tunísia e Marrocos.

Gomer: O próximo aliado mencionado é Gômer. No Talmude Babilônico o Gômer Bíblico, o pai de Ashkenaz, é escrito “Germania”. Gômer também está associado com os Cimérios, que eventualmente se estabeleceram nos vales do Reno e do Danúbio. Então, Gômer cobre as atuais Alemanha e Áustria.

Togarmah: Togarma é um dos filhos de Gômer. O Assírios os chamavam de Til-Garimmu, um nome derivado da cidade Hitita de Tegarama e trazida aos tempos clássicos como Gaureama, atualmente conhecida como Gurum, 110 quilômetros a oeste de Mylayta. A cidade foi destruída por Senaqueribe em 695 a.C. Os Armênios ainda se referem a si mesmos com “a Casa de Togarma”, mesmo nos dias atuais. Então, Togarma é atualmente a área que cobre a Turquia e o Turquestão.

Todos os aliados de Magogue (Rússia) estão bem definidos e têm uma coisa em comum, são Muçulmanos. O intenso ódio dos Muçulmanos contra Israel os unirá em uma causa comum, exterminar completamente Israel da face da terra. O desmonte da União Soviética liberou as Repúblicas da Ásia Centra: Kazaquistão, Turcomenistão, Uzbequistão, Tadjiquistão e Kirgstão, para unirem-se a seus irmãos Islâmicos na invasão de Magogue. Essas cinco repúblicas independentes são Islâmicas, têm armas nucleares, e podem ser o “anzol no queixo” que arrastará Magogue para a batalha.


A Espada de Alá

“Lute e destrua os pagãos (infiéis) onde quer que os encontre, e os prenda, e os sitie, e fique à espera deles em todo estratagema de guerra”. – Corão, Sura 9:5

“Crentes (Muçulmanos), não tomem nem Cristãos nem Judeus por amigos: eles são amigos uns dos outros. Quem dentre vós buscar a sua amizade se tornará um contado com eles, e Deus não guia (esses Judeus e Cristãos) malfeitores”. – Corão, Sura 5.51–5:74

A agenda Islâmica não pode mais ser ignorada. Eles têm os recursos, petróleo e renda com o petróleo, e, agora, armas nucleares. Sua “ Jihad ” não é contra os Judeus, está direcionada a todo o mundo não-Mulçulmano. O Mundo do Islam divide o universo em inteiro em somente duas partes: Dar Al Islam, o domínio dos fiéis (o Islam); e Dar Al Harb, aqueles contra quem eles estão em guerra até o Dia do Julgamento!

O Islam comanda quase 2 bilhões de adeptos, e é claramente a religião com crescimento mais acelerado no mundo hoje. No século 21, o Islam é a maior ameaça ao Cristianismo e ao mundo livre. Na Inglaterra, existem mais muçulmanos do que Cristãos Evangélicos, mais de 1.000 igrejas forma convertidas em mesquitas. Existem mais Muçulmanos do que Judeus na América do Norte. Existem mais de 2.000 mesquitas nos Estados Unidos.

É interessante notar que o Islam não começou com Maomé. Antes do advento de Maomé, os Sabeans da Arábia estavam na religião astral, a adoração dos corpos celestiais. A lua era vista como uma deidade masculina; o sol uma deidade feminina e as estrelas eram vistas como suas crias. Foi deste pano de fundo que conseguimos nosso calendário lunar. Jejuns eram e ainda são feitos de lua crescente a lua crescente.

Um dos nomes para o deus-Lua era “Sin”. “Sin” foi elevado ao topo do panteão Babilônico por Nabodnidus em um esforço para tornar a religião Babilônica aceitável para seus dominados como os Árabes e os Arameus, que estimavam o deus-Lua, e tinham dificuldade de se identioficar com Marduk, a suprema deidade Babilônica associada primariamente com a cidade de Babilônia. Sin, “O Controlador da Noite”, tinha a lua crescente como seu emblema, e o calendário baseado na lua, que mais tarde se tornaram os principais símbolos do Islam. O deus-Lua era adorado na Arábia como Al-llah, mais tarde simplificado para Allah. Allah era o “Senhor da Ka’aba” (“cubo”), o centro da adoração pagã, governando sobre 360 ídolos. Devido à sua localização ao longo de rotas mercantes, Mecca se tornou o centro de todas as religiões pagãs da Arábia.

Era um requisito, muito antes de Maomé, curvar-se e rezar em direção a Mecca. Peregrinações para lá eram exigidas; a Ka’aba, local da protetora pedra negra, era circulada sete vezes, beijada, e então os peregrinos corriam para Wadi Mina para atirar pedras no Demônio. Esse rituais pagãos ainda são praticados no Islam hoje.

A natureza do Islam é um legado de ódio, nascido de engano, amamentado de violência. Islam significa “submissão”. Originalmente, se referia à força que fazia um guerreiro do deserto que, mesmo enfrentando condições impossíveis, lutaria até a morte por sua tribo.

A natureza de Allah, deus do Islam, difere grandemente do Deus Cristão. O Allah Islâmico é incompreensível, impessoal, caprichoso (portanto indigno de confiança). O Deus do Velho Testamento é imutável, inamovível, e faz e mantém Seus concertos e promessas. Há um importante contraste entre Maomé e Jesus Cristo. Maomé não era sem pecado: Sura 40:55. Nem jamais operou um simples milagre: Sura 17:91-95. Ele não morreu por ninguém. Diferentemente de Jesus Cristo, nenhuma relação pessoal é possível: Maomé está morto.

O problema do Islam não é o tamanho de Israel: a existência de Israel é o problema. Todo o Islam está irrevogavelmente engajado na total destruição de Israel. Então, não importa quanta terra Israel ceda ou quantas concessões eles façam, enquanto Israel continuar existindo, sempre haverá um espinho no lado do Islam. Poderia a batalha de Ezequiel 38 ser a tentativa do Islam de remover esse espinho de seu lado de uma vez por todas? A Rússia tem-se alinhado com a maioria das nações listadas em Ezequiel 38, sendo seu fornecedor de armamentos e mesmo indo tão longe quanto assinar tratados com essas nações para protegê-las em caso de guerra. Então, o anzol no queixo já foi colocado, acredito que Deus já está dando puxões na linha!


A Invasão

“Prepara-te, e dispõe-te, tu e todas as multidões do teu povo que se reuniram a ti, e serve-lhes tu de guarda.” Ezequiel 38.7

Magogue (Rússia) deverá ser tanto o líder quanto o provedor. Não é coincidência que a Rússia seja hoje o maior fornecedor de armas e tecnologia para os mesmos aliados listados.

“Depois de muitos dias serás visitado. No fim dos anos virás à terra que se recuperou da espada, e que foi congregada dentre muitos povos, junto aos montes de Israel, que sempre se faziam desertos; mas aquela terra foi tirada dentre as nações, e todas elas habitarão seguramente.” Ezequiel 38.8

Magogue (Rússia) liderará a invasão contra Israel. Após estarem dispersados por mais de 2.000 anos, Deus, miraculosamente, reuniu o povo de volta à sua terra prometida, assim como a Bíblia predisse. (veja Israel – O Relógio de Deus)

“Então subirás, virás como uma tempestade, far-te-ás como uma nuvem para cobrir a terra, tu e todas as tuas tropas, e muitos povos contigo.” Ezequiel 38.9

Todos os aliados de Magogue são Islâmicos e estão unidos em seu ódio por Israel. Estarão unidos em sua negação comum à existência de Israel como nação e no compromisso com sua total aniquilação.

“Assim diz o Senhor Deus: E acontecerá naquele dia que subirão palavras no teu coração, e maquinarás um mau desígnio, E dirás: Subirei contra a terra das aldeias não muradas; virei contra os que estão em repouso, que habitam seguros; todos eles habitam sem muro, e não têm ferrolhos nem portas;” Ezequiel 38.10-11

Hoje, Israel não está vivendo uma vida pacífica. Cada Israelense tem que estar constantemente alerta e preparado para um ataque ou ato terrorista. Isso indica que no tempo da invasão de Magogue, eles estarão vivendo sob algum tipo de acordo de paz. Estarão vivendo sob um falso senso de segurança – Israel baixará sua guarda.

“A fim de tomar o despojo, e para arrebatar a presa, e tornar a tua mão contra as terras desertas que agora se acham habitadas, e contra o povo que se congregou dentre as nações, o qual adquiriu gado e bens, e habita no meio da terra.” Ezequiel 38.12

Há somente cerca de 50 anos atrás, Israel era um deserto devastado, você teria que andar quilômetros só para ver uma árvore. Agora é conhecida como “A Fruteira da Europa”. Um país com cerca do tamanho de Sergipe, é hoje o quarto maior exportador de frutas no mundo.

“Sebá e Dedã, e os mercadores de Társis, e todos os seus leõezinhos te dirão: Vens tu para tomar o despojo? Ajuntaste a tua multidão para arrebatar a tua presa? Para levar a prata e o ouro, para tomar o gado e os bens, para saquear o grande despojo?” Ezequiel 38.13

Sheba e Dedan eram cidades no que hoje é a Arábia Saudita. Elas não eram parte da invasão, mas questionam o motivo da invasão. A Arábia Saudita está temerosa de um ataque pelo Iran, o Iran deseja controlar todo o Islam. Atacando a Arábia Saudita, eles não somente teriam todo o petróleo, mas também ganhariam o controle de Mecca. Assim, controlariamMecca e Medina, os dois locais mais sagrados em todo o Islam. Não admira que Sheba e Dedan estejam evitando se juntar a essa invasão.

Quem é Társis? Tarshish (Társis) aparece primariamente com um dos filhos de Javan, irmão de Magogue, ambos filhos de Jafé (I Crônicas 1.7). As Escrituras identificam claramente Tarshish como uma distante ilha mercante à distância de três anos. Jonas, ao fugir de seu chamado a Nínive, embarcou em um navio para Társis. Ainda que isso não seja concreto, a maioria dos estudiosos da Bíblia crê que as Ilhas Britânicas sejam a Társis dos dias de hoje. Társis era conhecida como fonte de estanho. Britannia significa fonte de estanho. O povo de Wessex já tirava proveito de negócios com o Oriente do Mediterrâneo por volta de 1.500 a.C. Alguns até mesmo sugerem que os “jovens leões” associados com Társis são as colônias fundadas pelos Britânicos. Isso incluiria os Estados Unidos. Israel é aliado dos EUA. Poderia alguma coisa acontecer aos EUA que evitasse que eles corressem para o lado de Israel?

“Portanto, profetiza, ó filho do homem, e dize a Gogue: Assim diz o Senhor Deus: Porventura não o saberás naquele dia, quando o meu povo Israel habitar em segurança? Virás, pois, do teu lugar, do extremo norte, tu e muitos povos contigo, montados todos a cavalo, grande ajuntamento, e exército poderoso,” Ezequiel 38.14-15

O extremo norte é literalmente “as mais distantes” partes do norte. Qualquer mapa mostrará que a Rússia está bem ao norte de Israel. A referência aos cavalos, vem da palavra Hebraica “em>soos”, que significa “saltador”. Também pode ser traduzida como “pássaro” ou “carroceiro”. Ezequiel deu seu melhor ao tentar descrever um exército armado moderno. O principal tanque de guerra de Israel é o Merkeva, ou “Carruagem”.

“E subirás contra o meu povo Israel, como uma nuvem, para cobrir a terra. Nos últimos dias sucederá que hei de trazer-te contra a minha terra, para que os gentios me conheçam a mim, quando eu me houver santificado em ti, ó Gogue, diante dos seus olhos.” Ezequiel 38.16

Lei atentamente o que Deus diz, a invasão de Magogue se dará contra o povo de Deus e contra a terra de Deus. A terra não pertence a Israel ou aos Palestinos, mas somente a Deus. Não sei quanto a você, mas eu estou apostando em Deus!

“Assim diz o Senhor Deus: Não és tu aquele de quem eu disse nos dias antigos, por intermédio dos meus servos, os profetas de Israel, os quais naqueles dias profetizaram largos anos, que te traria contra eles? Sucederá, porém, naquele dia, no dia em que vier Gogue contra a terra de Israel, diz o Senhor Deus, que a minha indignação subirá à minha face.” Ezequiel 38.17-18

Deus não apresenta nenhuma surpresa. Ele dá a todos suficientes advertências. Através de Seus profetas, temos sabido da invasão de Magogue por cerca de 2.500 anos. Deus intervirá, não porque Israel mereça Sua ajuda, mas porque Sua reputação está em jogo! Magogue está atirando areia na face de Deus, Deus diz “já chega!”

“Porque disse no meu zelo, no fogo do meu furor, que, certamente, naquele dia haverá grande tremor sobre a terra de Israel; De tal modo que tremerão diante da minha face os peixes do mar, e as aves do céu, e os animais do campo, e todos os répteis que se arrastam sobre a terra, e todos os homens que estão sobre a face da terra; e os montes serão deitados abaixo, e os precipícios se desfarão, e todos os muros desabarão por terra.” Ezequiel 38.19-20

Já tivemos alguns terremotos ruins, mas nada se compara ao terremoto descrito acima. O mundo inteiro sentirá esse terremoto, e todo o mundo saberá que a mão de Deus está por trás dele.

“Porque chamarei contra ele a espada sobre todos os meus montes, diz o Senhor Deus; a espada de cada um se voltará contra seu irmão. E contenderei com ele por meio da peste e do sangue; e uma chuva inundante, e grandes pedras de saraiva, fogo, e enxofre farei chover sobre ele, e sobre as suas tropas, e sobre os muitos povos que estiverem com ele.” Ezequiel 38.21-22

Isso pode ser literalmente Deus derramando fogo sobre Magogue, ou pode ser nuclear. Israel possui tecnologia nuclear e de nêutrons. Se forçados, utilizarão todos os meios para se proteger. Ou, simplesmente usarão a “opção de Sansão”, e tentarão levar todos com eles se sentirem que não têm outra opção. Um terremoto dessa magnitude poderia liberar o caminho para Israel construir seu Terceiro Templo e a batalha poderia inaugurar o reino do Anticristo.


A Batalha Pertence ao Senhor

Deus declara através de Seu profeta Ezequiel que derrotará a Rússia e seus aliados no maior desastre militar da história. De acordo com Ezequiel 39.2, cinco sextos do exército comandado pela Rússia (85 por cento) será aniquilado por Deus sobre as montanhas de Israel. O Senhor iniciará o maior terremoto já experimentado até então na história, com centro nas montanhas de Israel, mas afetando as cidades ao redor do globo. Ademais, a destruição sobrenatural será acompanhada pelos julgamentos adicionais de Deus, incluindo “peste, chuva inundante, grandes pedras de saraiva, fogo e enxofre” (38.22). O Senhor trará tamanha confusão e caos sobre o inimigo, que “a espada de cada um se voltará contra seu irmão” (verso 21). A devastação e perda de vidas humanas será tão grande que “a casa de Israel os enterrará durante sete meses” (Ezequiel 39.12). As armas e suprimentos de combustível capturados proverão combustível para as cidades e vilas de Israel por sete anos (verso 9).

É interessante notar que novas armas Russas estão sendo produzidas utilizando um novo material chamado “lignostone”. Preparado de um material de madeira comprimido, esse material foi desenvolvido na Holanda para ser usado como combustível. Entretanto, os laboratórios bélicos Soviéticos descobriram que essa substância única, chamada lignostone, é tão forte quanto o aço, leve, moldável, e quase invisível ao radar. Essas características únicas encorajaram os militares Soviéticos a utilizarem esse material vários veículos militares e armamentos. Uma das características da lignostone é que ela queima a temperaturas muito altas e pode ser prontamente utilizada como um combustível alternativo. O uso de lignostone, e o fato de que as unidades militares móveis Russas podem levar grandes quantidades de combustível (em containers de 100 metros de lado) para seus tanques e helicópteros, pode explicar a profecia de que a derrota desse exército proverá vasta fonte de combustível para Israel por um período de sete anos.

A profecia registrada em Ezequiel 38.21 e 39.21-22 indica que o propósito de Deus nessa intervenção extraordinária na história é para glorificar e santificar Seu Santo Nome aos olhos de Israel e das nações Gentias. A impressionante destruição associada com essa vitória sobre o exército comandado pela Rússia não ficará confinada somente aos exércitos invasores. Deus declarou, “E enviarei um fogo sobre Magogue e entre os que habitam seguros nas ilhas; e saberão que eu sou o Senhor.” (Ezequiel 39.6). A Rússia (Magogue) será devastada pela ira de Deus, bem como as nações que “habitam seguros nas ilhas”, que pode se referir à Europa e América.

A Rússia pré-posicionou suprimentos militares no Líbano, Iraque, Síria, Líbia e Egito na preparação para a invasão Russo-Árabe de Israel. É mais fácil e mais eficiente para a Rússia enviar por avião grande número de homens com armamentos leves para a Síria, Egito e Líbano para pegar as armas pré-posicionadas, do que enviar suprimentos militares pelo ar para eles. Equipamentos militares normalmente pesam de cinco a dez vezes mais que o soldado que o utilizará. A mesma lógica motivou os militares Norte Americanos a pré-posicionarem enormes quantidades de suprimentos militares na Europa para que estivessem disponíveis às tropas Americanas e Canadenses que voariam para a Alemanha e França no evento de uma invasão Russa à Europa Ocidental. A OLP, Iraque, Jordânia, Líbia e Síria estão elas mesmas tão fortemente armadas que têm pouca utilidade prática para esse equipamento adicional.

O autor profético, Grant Jeffrey, dá um possível vislumbre sobre o tempo da invasão de Magogue. Ele escreve: “Apesar das Escrituras não indicarem o ano em que essa invasão futura e a derrota da Rússia ocorrerão, o profeta Ageu nos dá uma forte indicação de qual será o dia, na verdade. Ageu revela que no vigésimo quarto dia do nono mês (Chisleu) do calendário Judaico, o dia anterior aoHanukkah, Deus salvará Israel, como o fez duas vezes antes nesse dia: (1) a derrota do exército Sírio e a retomada do Templo em 165 a.C. e (2) a captura de Jerusalém das mãos dos Turcos pelos Britânicos em 1917, durante as batalhas finais da 1ª Gerra Mundial”.

O profeta Ageu declara: “E veio a palavra do Senhor segunda vez a Ageu, aos vinte e quatro dias do mês, dizendo: Fala a Zorobabel, governador de Judá, dizendo: Farei tremer os céus e a terra; E transtornarei o trono dos reinos, e destruirei a força dos reinos dos gentios; e transtornarei os carros e os que neles andam; e os cavalos e os seus cavaleiros cairão, cada um pela espada do seu irmão.” (Ageu 2.20-22).

A descrição de Ageu e a exata linguagem de sua profecia são sobrenaturalmente parecidas com a linguagem de Ezequiel 38 e 39 que descreve a derrota da Rússia. O interessante é que Ageu nomeia o exato dia do ano em que isso ocorrerá. Uma vez que tantas outras profecias se cumpriram tão precisamente até ao dia, há uma forte possibilidade de que este evento profético também ocorrerá na data apontada de seu aniversário no calendário Bíblico. “Eis que vem, e se cumprirá, diz o Senhor Deus; este é o dia de que tenho falado.” (Ezequiel 39.8). O encontro de Deus com a Rússia está marcado; não será adiado.

A Rússia e seus aliados têm o seu encontro com o destino, nós também temos o nosso destino “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.” (Romanos 3.23) e “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor.” (Romanos 6.23), mas diferentemente da Rússia e seus aliados, você pode mudar o seu destino!