Confirmando a Seqüência de Eventos dos Tempos do Fim

Um Estudo Bíblico por Jack Kelley

Mas ele, respondendo, disse-lhes: "Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não conheceis os sinais dos tempos?" (Mateus 16:2-3)

"Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda; Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes." (Mateus 24:15-16)

"Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver." (Mateus 24:21)

Quando se trata de estabelecer qualquer tipo de linha de tempo em relação aos Tempos do Fim, o divisor de águas tem que ser a Abominação da Desolação. Por que? Porque daquele tempo em diante, a Bíblia dá uma seqüência de eventos muito clara.

Primeiro, a Abominação é o evento que dá a partida à Grande Tribulação, um período de juízos com a duração de 3 anos e meio (Mateus 24:15, 21). Depois da Grande Tribulação, o Senhor retorna e, em seguida ao Seu retorno, o Milênio começa. Depois do Milênio vem a Eternidade. Qualquer um que esteja na Terra durante esse período será capaz de prever esses eventos com razoável precisão.

Segundo, nós que estudamos a profecia também podemos contar para trás a partir da Abominação da Desolação e predizer a seqüência de eventos que levam até ela aplicando o nosso conhecimento das Escrituras.

Como Isso Funciona?
Bem, sabemos que a Abominação envolve o Anticristo se colocar no Templo em Israel, proclamando-se a si mesmo como Deus (Daniel 9:27 e 2 Tes. 2:4).

Mas isso não pode acontecer até que outras coisas ocorram. Obviamente o Anticristo tem que ser revelado. E os Judeus têm que construir seu Templo. Isto é algo que não pode acontecer até que eles experimentem uma mudança de atitude que os faça exigir um Templo, independentemente das conseqüências. Hoje, menos do que 1 a cada 4 cidadãos de Israel quer que um Templo seja construído, mas mesmo que todos eles o quisessem, somente a menção de que iriam fazê-lo colocaria o resto do mundo em rebuliço. Isto simplesmente não seria permitido.

Algum evento significativo tem que ocorrer para convencer o povo Judeu de que construir um Templo é a coisa certa a fazer, a despeito de todos os problemas que isto causaria, e algum líder mundial tem que ter influência suficiente para convencer o resto do mundo, especialmente o Oriente Médio Muçulmano, a deixá-los fazê-lo.

Daniel 9:27 tambem revela que à medida que o Fim dos Tempos se aproximar, um lider dentre o povo que destruiu o Templo em 67 AD confirmará (forçará) uma aliança de 7 anos com Israel que incluirá a permissão para construir um novo Templo, e que na metade desse período ele cometerá a Abominação da Desolação. Isso explica o persuasivo líder mundial. Ele é o Anticristo, e quer um Templo construído por razões que nada têm a ver com Israel. A pergunta não respondida na profecia de Daniel é por que os Judeus desejariam um Templo naquele tempo em particular.

Nosso conhecimento do Antigo Testamento nos diz que um Templo era necesário para cumprir os requisitos da sistema Levítico de Adoração. Assim então, por causa do alvoroço que isso criaria, parece lógico admitir que os Judeus somente quereriam um Templo se sentissem que ele era absolutamente necessário para a Nação de Israel restabelecer sua adoração a Deus da Antiga Aliança.

Como Isso Acontece?
Ao final de sua profecia de dois capítulos que descreve uma grande batalha nos tempos do fim entre Israel e seus vizinhos (Eze. 38-39), Ezequiel notou que Deus usaria essa batalha para Se revelar a Israel e o mundo uma vez mais. A forma pela qual Ele o fará será dando a Israel uma vitória decisiva em face de uma tão grande desvantagem que todos sobre a Terra perceberão que somente Deus poderia tê-lo feito. Ezequiel escreveu que em seguida à batalha Deus iria reunir em Israel todo o seu povo vivo naquele tempo, não deixando ninguém para trás (Eze. 39:28).

Então, essa batalha é o evento que compele um retorno nacional para Deus em Israel. E quando todos os Judeus vivos no mundo forem repentinamente atraídos para Israel porque Deus os chamou, eles exigirão um Templo para que possam retomar seu relacionamento da Antiga Aliança com Ele. Se Ele os estivesse chamando através do Messias para um relacionamento da Nova Aliança eles não precisariam de um Templo, então tem que ser a retomada da Antiga Aliança. O seu chamado da Nova Aliança, profetizado em Jeremias 31:31, acontece mais tarde durante o tempo das Duas Testemunhas (Apo 11) e eles responderão a ele no final da Grande Tribulação, de acordo com Zacarias 12:10.

Também nas bases da batalha de Ezequiel, o Anticristo emergirá com um plano para restaurar a paz no Oriente Médio. Primeiramente ele aparece como um pacificador como predito em Daniel 8:25. E pelo seu entendimento também fará prosperar o engano na sua mão; e no seu coração se engrandecerá, e destruirá a muitos que vivem em segurança; e se levantará contra o Príncipe dos príncipes, mas sem mão será quebrado. Eu prefiro a tradução da King James para a segunda sentença, que começa, "Por meio da paz ele destruirá a muitos...". Então, a batalha de Ezequiel 38-39 cria as circustâncias tanto para o Anticristo quanto para o Templo aparecerem em cena, preparando o palco para a Abominação da Desolação.

Ligando os Pontos
Usando o nosso conhecimento da Bíblia para voltar ao presente a partir da Abominação da Desolação, até agora descobrimos que a seqüência se parece com o seguinte:

A Abominação não pode acontecer até que o Templo seja construído. Mas isto não pode acontecer até que uma aliança de 7 anos seja confirmada permitindo sua construção (A propósito, esse período de 7 anos é freqüentemente chamdo de 70ª semana de Daniel porque é a última semana de anos em uma profecia que consiste de 70 semanas de anos dada a Daniel por volta de 538 AC (Dan. 9:24-27).

A aliança de 7 anos não pode acontecer até que alguém dentre os descendentes do povo Romano emerja com um plano de paz para o Oriente Médio. E isto não pode acontecer até que a batalha descrita em Ezequiel 38-39 coloque o Oriente Médio em guerra aberta.

A batalha de Ezequiel não pode acontecer até que Deus esteja pronto para Se revelar a Israel novamente, trazendo os Judeus de todo o mundo para Israel clamando por um Templo para que possam restabelecer seu relacionamento da Antiga Aliança com Ele.

Por todos os meus mais de 25 anos como estudante da profecia, os estudiosos têm esperado a Batalha de Ezequiel 38. Ainda assim as condições que a tornam possível nunca foram cumpridas. Por um lado, os participantes ainda não estão todos colocados, mas, mais importante, Israel jamais conheceu um único dia de paz, sem mencionar o prolongado período necessário para que eles sejam descritos como um povo pacífico e descuidado, da forma como Ezequiel os descreveu (Eze. 38:11). Algo tem que acontecer para fazê-los sentir como se não tivessem mais um inimigo ameaçador enquando deixam o Irã, a Rússia e outras nações que Ezequiel identificou em posição de atacar.

Recentemente, vários escritores, inclusive eu, vimos duas outras profecias do Antigo Testamente como possíveis prelúdios para Ezequiel 38. Em Salmos 83 parece que todos o vizinhos de Israel se levantarão e atacarão com a intensão de destruir a nação Judaica, e Isaías 17 menciona especificamente a destruição de Damasco por Israel. A derrota dos vizinhos de Israel preenche as lacunas na seqüência dos tempos do fim. Primeiro, explica porque nenhum deles é mencionado em Ezequiel 38, quando a lógica dita que eles deveriam estar bem no grosso da coisa. Segundo, revela como os Judeus podem ser pegos com a guarda baixa. Com a Síria, o Hamas, o Hezbollah, o Líbano e os outros derrotados, Israel finalmente terá algum espaço. Como a Rússia e o Iram têm tradicionalmente utilizado esses vizinhos como procuradores ao invés de ter um confronto face-a-face, Israel poderá sentir que não há mais ameaças também deles.

Mas Espere, Tem mais!
E nem a revelação de Deus a Israel nem o aparecimento do Anticristo podem acontecer até que a Igreja tenha ido, por duas boas razões.

1. Em Atos 15:14 Tiago claramente profetiza que depois de o Senhor ter tomado a Igreja Ele iria retornar para reconstruir o Templo. Simão relatou como primeiramente Deus visitou os gentios, para tomar deles um povo para o seu nome. E com isto concordam as palavras dos profetas; como está escrito: "Depois disto voltarei,e reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído, levantá-lo-ei das suas ruínas, e tornarei a edificá-lo." (Atos 15:14-16)

Depois de o Senhor ter tomado a Igreja, Ele retornará e reconstruirá o Templo. Duas palavras Gregas são críticas para o nosso entendimento desta passagem. A que é traduzida como tenda (no original) também significa Tabernáculo (como na tradução Almeida Corrigida e Revisada, Fiel), uma referência ao Templo. A que é traduzida como tomar significa tomar posse, ou pegar a fim de levar, ou levar embora. Eu creio que esta seja uma referência velada ao Arrebatamento da Igreja precedendo o retorno de Deus para Israel.

Se for assim, isto é consistente com os caminhos de Deus. Ele parece focalizar ou em Israel ou na Igreja, nuca em ambos de uma vez. No contexto mais amplo da passagem, Tiago estava ilustrando exatamente este ponto de vista da outra extremidade da Era da Igreja. Ele disse aos Apóstolos reunidos que Deus estava pondo Israel de lado enquanto tomava dentre os Gentios um povo para si mesmo. Mas depois de tê-los tomado, Ele retornaria para restaurar Israel.

Mais tarde, Paulo aludiu a essa seqüência em Romanos 11:25-27. Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado. E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: "De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades. E esta será a minha aliança com eles, Quando eu tirar os seus pecados".

Como destaquei anteriormente, nos tempos de Paulo a expressão plenitude (número total) era um termo náutico que significava o número necessário de tripulantes antes que uma embarcação pudesse legalmente navegar. Aparentemente Deus determinou um número específico para a Igreja antes que ela possa ser arrebatada. Quando essu número estiver completo, a Igreja irá "entrar" no lugar preparado para nós. Entrar era outro termo náutico que significava "chegar ao destino pretendido", o qual Jesus descreveu como a casa de Seu Pai em João 14:1-3. Então Deus se votará novamente para Israel, revertendo o endurecimento de seu coração, tirando a venda de seus olhos e oferecendo salvação mais uma vez.

2. Em 2ª Tessalonicenses 2:6-7 Paulo explicou que o Anticristo não poderia ser revelado até que o poder que o está restringindo seja tirado do caminho (literalmente tirado do meio). Para a maioria dos estudiosos evangélicos, o poder sobre o qual paulo escreveu é o Espírito Santo residente na Igreja. Como esse poder está selado em nós (Efé. 1:13) é razoável que se o Espírito Santo for tirado nós teremos que ir também. Eis outra pista do Arrebatamento da Igreja, desta vez precedendo o aparecimento do Anticristo.

Então, se o Arrebatamento tem que preceder tanto a revelação de Deus a Israel quanto a revelação do Anticristo ao mundo, então ela tem que preceder a batalha de Ezequiel 38 também. Como ninguém sabe qual é a plenitude da Igreja, ninguém pode saber antecipadamente exatamente quanto tempo antes de Ezequiel 38 o Arrebatamento ocorrerá. Ele poderia literalmente ocorrer a qualquer momento, e não há um dia mais provável do que qualquer outro. Por esta razão não podemos localizá-lo mais especificamente na seqüência dos Tempos do Fim do que dizer que precisa preceder Ezequiel 38.

Mas afora isso, a seqüência de eventos se dará da seguinte forma: a Batalha de Salmos 83/Isaías 17, a Batalha de Ezequiel 38, o aparecimento do Anticristo como pacificador, começa a 70ª semana de Daniel, a Abominação da Desolação se estabelece, então a Grande Tribulação, a Segunda Vinda, o Milênio e a Eternidade. A primeira delas pode estar muito próxima. Tão próxima que você quase pode ouvir os passos do Messias. 05-11-08