Os Tempos do Fim Segundo Isaías, Parte 7

Estudo Bíblico por Jack Kelley - www.gracethrufaith.com

Neste capítulo de Os Tempos do Fim Segundo Isaías, veremos os capítulos 26-27 que completarão a profecia de quatro capítulos que começamos da última vez.

Isaías 26. Um Cântico de Louvor
NAQUELE dia se entoará este cântico na terra de Judá: Temos uma cidade forte, a que Deus pôs a salvação por muros e antemuros. Abri as portas, para que entre nelas a nação justa, que observa a verdade.

Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti. Confiai no SENHOR perpetuamente; porque o Senhor Deus é uma rocha eterna.

Porque ele abate os que habitam no alto, na cidade elevada; humilha-a, humilha-a até ao chão, e derruba-a até ao pó. O pé pisá-la-á; os pés dos aflitos, e os passos dos pobres. O caminho do justo é todo plano; tu retamente pesas o andar do justo.

Também no caminho dos teus juízos, SENHOR, te esperamos; no teu nome e na tua memória está o desejo da nossa alma. Com minha alma te desejei de noite, e com o meu espírito, que está dentro de mim, madrugarei a buscar-te; porque, havendo os teus juízos na terra, os mora-dores do mundo aprendem justiça. (Isaías 26:1-9)

Esses que falam são crentes Judeus da Tribulação, obedientes ao Antigo Concerto. Eles poem em contraste duas cidades simbólicas. A cidade poderosa simboliza Jerusalém e hospeda a nação justa, o remanescente crente que confia no Senhor e recebe perfeita paz em meio ao caos. Mas a cidade elevada, simbolizando Babilônia, está cheia de descrentes e é trazida abaixo. O oprimido e o pobre dentro dela se rebelam contra seus líderes injustos e ajudam a pisá-la, até o pó.

O remanescente crente anseia pelo retorno do SENHOR, sabendo que Seus juízos trazem justiça de volta à Terra. É importante lembrar que nos últimos dias Israel uma vez mais será uma nação do Antigo Concerto, sob a Lei. Doutra forma eles não precisariam nem quereriam um Templo, e admoestações como “E orai para que a vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado” (Mat. 24:20) seriam desnecessárias. Somente Judeus do Antigo Concerto são proibidos de viajar no Sábado.

Note que a palavra SENHOR está toda em maiúsculas. Isto significa em Hebraico que é JHVH, o tetragrama, as 4 iniciais do nome de Deus no Antigo Concerto. Eles ainda não conhecem o nome do seu Messias, ainda que a palavra Hebraica para a salvação que forma os muros da grande cidade seja Yeshua, o nome de Jesus. Não até que a Grande Tribulação esteja quase terminada eles olharão para Aquele que traspassaram (Zac 12:10) e O reconhecerão, ainda que Ele tenha estado protegendo-os todo o tempo.

Ainda que se mostre favor ao ímpio, nem por isso aprende a justiça; até na terra da retidão ele pratica a iniqüidade, e não atenta para a majestade do SENHOR. SENHOR, a tua mão está exaltada, mas nem por isso a vêem; vê-la-ão, porém, e confundir-se-ão por causa do zelo que tens do teu povo; e o fogo consumirá os teus adversários. (Isaías 26:10-11)

Mesmo na ira, Deus se lembra da misericórdia. (Habacuque 3:2) Em meio à destruição total das nações entre as quais eles foram espalhados, o Senhor estende graça ao Seu povo dando-lhes uma última chance. Mas os ímpios recusarão ver isto e sofrerão as consequências. A Grande Tribulação tem sido chamada de o fogo do ourives. Nela todas as impurezas de Israel serão trazidas para a superfície e retiradas para sofrer o destino dos inimigos de Deus.

SENHOR, tu nos darás a paz, porque tu és o que fizeste em nós todas as nossas obras. Ó Senhor Deus nosso, já outros senhores têm tido domínio sobre nós; porém, por ti só, nos lembramos de teu nome. Morrendo eles, não tornarão a viver; falecendo, não ressuscitarão; por isso os visitaste e destruíste, e apagaste toda a sua memória. Tu, SENHOR, aumentaste a esta nação, tu aumentaste a esta nação, fizeste-te glorioso; alargaste todos os confins da terra. (Isaías 26:12-15)

Admitindo sua idolatria anterior, o remanescente uma vez mais jura fidelidade a Deus somente, agora e para sempre. Seus outros deuses estão mortos e enterrados, para nunca mais se levantarem. Eles finalmente confessam que foi Ele quem engrandeceu sua nação e estendeu suas fronteiras. Isto provavelmente se refere a uma batalha em nosso futuro, predita em Salmos 83, onde o Senhor dará aos Judeus vitória sobre seus vizinhos, resultando em uma expansão de seu território para uma área mais consistente com as fronteiras originais da Terra Prometida.

Ó SENHOR, na angústia te buscaram; vindo sobre eles a tua correção, derramaram a sua oração secreta. Como a mulher grávida, quando está próxima a sua hora, tem dores de parto, e dá gritos nas suas dores, assim fomos nós diante de ti, ó SENHOR! Bem concebemos nós e tivemos dores de parto, porém demos à luz o vento; livramento não trouxemos à terra, nem caíram os moradores do mundo. (Isaías 26:16-18)

Uma das coisas para que Deus escolheu Israel era trazer Sua salvação aos Gentios, e aqui eles admitem sua falha. Deus, que não perde oportunidades ainda que falhemos no nosso chamado, fez Isaías profetizar que Ele realizaria isto por eles na pessoa do Messias. (Isaías 49:1-6)

Os teus mortos e também o meu cadáver viverão e ressuscitarão; despertai e exultai, os que habitais no pó, porque o teu orvalho será como o orvalho das ervas, e a terra lançará de si os mortos. Vai, pois, povo meu, entra nos teus quartos, e fecha as tuas portas sobre ti; esconde-te só por um momento, até que passe a ira. Porque eis que o SENHOR sairá do seu lugar, para castigar os moradores da terra, por causa da sua iniqüidade, e a terra descobrirá o seu sangue, e não encobrirá mais os seu mortos. (Isaías 26:19-21)

Ainda que os crentes mortos do Antigo Testamento serão ressuscitados, isso não acontecerá até o final da Grande Tribulação (Daniel 12:2). E ainda que o remanescente vivo fugirá para as montanhas da Judéia no seu começo (Mat. 24:15), a verdadeira ordem desses eventos será oposta à sua menção aqui. Além disso, Apo 6:17 mostra que a Ira de Deus começa vários anos antes do aparecimento da Abominação da Desolação, o evento que Jesus deu aos Judeus como sinal para fugirem. Nem por um esforço da imaginação esta passagem se cumpriu literalmente no passado, nem se cumprirá no remanescente Judeu.

Esta é uma profecia dos Tempos do Fim que primeiro promete uma ressurreição dos mortos, seguida pelo ocultamento do povo de Deus enquanto a Sua Ira é liberada sobre o povo da Terra por seus pecados. Ela é tão estarrecedoramente similar à mensagem de Paulo à Igreja em 1 Tes. 4-5 que estou convencido de esta seja a "palavra do Senhor" a que Paulo se refere como sua autoridade para escrevê-lo. Vamos ler.

Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. (1 Tes. 4:15-17)

Pois que, quando disserem: "Há paz e segurança", então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. (1 Tes.5:3)

É claro, ninguém sabe com certeza se esta é a passagem a que Paulo se referiu, mas os estudiosos têm procurado em vão no Novo Testamento por algum ensinamento de Jesus para justificar a alegação de Paulo. Não existe nenhum. Vamos comparar as duas passagens.

Isaías: Os teus mortos e também o meu cadáver viverão e ressuscitarão; despertai e exultai, os que habitais no pó, porque o teu orvalho será como o orvalho das ervas, e a terra lançará de si os mortos.

Paulo: Os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.

Isaías: Vai, pois, povo meu, entra nos teus quartos, e fecha as tuas portas sobre ti; esconde-te só por um momento, até que passe a ira.

Paulo: Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares.

Isaías: Porque eis que o SENHOR sairá do seu lugar, para castigar os moradores da terra, por causa da sua iniqüidade.

Paulo: Pois que, quando disserem: "Há paz e segurança", então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão.

As palavras são um pouco diferentes, mas com certeza me parece que estão descrevendo o mesmo evento. Apoiando ainda mais isto, a palavra Hebraica traduzida como "vai" na frase "Vai, pois, povo meu" é traduzida como "vem" na KJV, relembrando a ordem dada a João em Apocalipse 4, "Sobe aqui". Ela também significa partir e desvanecer. Interessante!

Isaías 27. A Libertação de Israel
NAQUELE dia o Senhor castigará com a sua dura espada, grande e forte, o leviatã, serpente veloz, e o leviatã, a serpente tortuosa, e matará o dragão, que está no mar. (Isaías 27:1)

Não faz sentido que Isaías estivesse falando de um monstro marinho literal aqui. Eu creio que este verso faça referência à destruição de Satanás. Se for assim, isto confirma a profecia anterior sobre o destino de Satanás em Isaías 14.

Naquele dia haverá uma vinha de vinho tinto; cantai-lhe. "Eu, o Senhor, a guardo, e cada momento a regarei; para que ninguém lhe faça dano, de noite e de dia a guardarei. Não há indignação em mim. Quem me poria sarças e espinheiros diante de mim na guerra? Eu iria contra eles e juntamente os queimaria. Ou que se apodere da minha força, e faça paz comigo; sim, que faça paz comigo." (Isaías 27:2-5)

Isaías compara a proteção de Israel por Deus àquela de um fazendeiro cuidando de sua vinha. Como demonstração de Sua misericórdia, o inimigo, representado por sarças e espinheiros, tem a escolha de ser consumido no fogo ou fazer paz com Ele.

Dias virão em que Jacó lançará raízes, e florescerá e brotará Israel, e encherão de fruto a face do mundo. (Isaías 27:6)

Desde o seu renascimento em 1948 Israel se tornou um grande exportador de frutos, vegetais e flores frescas, até recentemente suprindo a maior parte das necessidades da Europa. Ultimamente, diferenças políticas fizeram alguns países da Europa e do Oriente Médio boicotarem as exportações Israelenses. Mas este verso tem um cumprimento espiritual também. Por causa de Israel o Evangelho dará frutos em todo o mundo.

Feriu-o como feriu aos que o feriram? Ou matou-o, assim como matou aos que foram mortos por ele? Com medida contendeste com ela, quando a rejeitaste, quando a tirou com o seu vento forte, no tempo do vento leste. Por isso se expiará a iniqüidade de Jacó, e este será todo o fruto de se haver tirado seu pecado; quando ele fizer a todas as pedras do altar como pedras de cal feitas em pedaços, então os bosques e as imagens não poderão ficar em pé. (Isaías 27:7-9)

Como que antecipando o falso ensinamento dos teólogos da substituição que questionam o direito de Israel de existir, o profeta pergunta se os juízos que destroem o mundo destruirão Israel também. Vemos a resposta do Senhor em Jeremias 30:11.

"Porque eu sou contigo,"" diz o Senhor, "para te salvar; porquanto darei fim a todas as nações entre as quais te espalhei; a ti, porém, não darei fim, mas castigar-te-ei com medida, e de todo não te terei por inocente."

Tendo recusado a oferta de perdão do Messias, Israel escolheu permanecer culpável sob o Antigo Concerto e precisa suportar a punição de um povo fora da comunhão. Mas Deus não os abandonará. A disciplina dos juízos dos Tempos do Fim os despertará e ele buscarão o Senhor. Escute as palavras de um contemporâneo de Isaías, o profeta Oséias.

"VINDE, e tornemos ao Senhor, porque ele despedaçou, e nos sarará; feriu, e nos atará a ferida. Depois de dois dias nos dará a vida; ao terceiro dia nos ressuscitará, e viveremos diante dele." (Oséias 6:1-2)

Depois de dois milênios eles foram revivificados. Quando o terceiro começar, eles serão restaurados e Ele virá viver com eles novamente. O mais precioso fruto de todos será a remoção dos pecados de Israel.

Porque a cidade fortificada ficará solitária, será uma habitação rejeitada e abandonada como um deserto; ali pastarão os bezerros, e ali se deitarão, e devorarão os seus ramos.

Quando os seus ramos se secarem, serão quebrados, e vindo as mulheres, os acenderão, porque este povo não é povo de entendimento, assim aquele que o fez não se compadecerá dele, e aquele que o formou não lhe mostrará nenhum favor. (Isaías 27:10-11)

A história é diferente para Babilônia, cujo povo, depois de todos os séculos, permanece sem compreensão e está além da compaixão.

E será naquele dia que o Senhor debulhará seus cereais desde as correntes do rio, até ao rio do Egito; e vós, ó filhos de Israel, sereis colhidos um a um.

E será naquele dia que se tocará uma grande trombeta, e os que andavam perdidos pela terra da Assíria, e os que foram desterrados para a terra do Egito, tornarão a vir, e adorarão ao Senhor no monte santo em Jerusalém. (Isaías 27:12-13)

O Senhor irá por toda a Terra Prometida recolhendo Seu povo, não deixando um sequer para trás. Isaías também deixou claro que na Era do Reino o Egito e a Assíria serão novamente nações proeminentes na Terra, juntamente com Israel.

Naquele tempo o Senhor terá um altar no meio da terra do Egito, e uma coluna se erigirá ao Senhor, junto da sua fronteira. E servirá de sinal e de testemunho ao Senhor dos Exércitos na terra do Egito, porque ao Senhor clamarão por causa dos opressores, e ele lhes enviará um salvador e um protetor, que os livrará. E o Senhor se dará a conhecer ao Egito, e os egípcios conhecerão ao Senhor naquele dia, e o adorarão com sacrifícios e ofertas, e farão votos ao Senhor, e os cumprirão. E ferirá o Senhor ao Egito, ferirá e o curará; e converter-se-ão ao Senhor, e mover-se-á às suas orações, e os curará. (Isaías 19:19-22)

Zacarias 14:18-19explica que a aflição do Egito será causada por uma recusa em celebrar a Festa dos Tabernáculos no Milênio.

Naquele dia haverá estrada do Egito até à Assíria, e os assírios virão ao Egito, e os egípcios irão à Assíria; e os egípcios servirão com os assírios. Naquele dia Israel será o terceiro com os egípcios e os assírios, uma bênção no meio da terra. Porque o Senhor dos Exércitos os abençoará, dizendo: "Bendito seja o Egito, meu povo, e a Assíria, obra de minhas mãos, e Israel, minha herança". (Isaías 19:23-25)

Hoje um gigantesco monumento se assenta no único lugar da Terra que está no coração do Egito e em sua fronteira. (O nome Bíblico para o Egito é Mizraim e literalmente significa 2 Egitos, já que é a forma dualista de sua raiz, Matzor.) É em um lugar chamado Guizé, que é uma palavra Árabe que significa fronteira. Guizé está localizado na fronteira entre o Alto e o Baixo Egito (os 2 Egitos) e está no centro de um arco que circunscreve a região do Delta do Nilo. Então está na fronteira, mas também no coração do Egito. O monumento é chamado a Grande Pirâmide e é a mais notável edificação sobre a face da Terra. As características únicas da localização da Grande Pirâmide, sua construção e suas dimensões desafiariam os limites da capacidade humana mesmo hoje e, ainda assim, ela foi construída 4.000 anos atrás. Quem a construiu e para que propósito? Será este o monumento de que Isaías falou? Muitos que estudaram a Grande Pirâmide estão convencidos de que a resposta é sim. (Leia mais sobre a Grande Pirâmide de Guizé)

Como prometido, nesta olhadela de 4 capítulos no Final dos Tempos, nós vimos a Terra julgada, Babilônia destruída, o Messias revelado, a Igreja Arrebatada, Satanás Julgado, Israel restaurado e ainda tivemos um vislumbre da Eternidade. E acredite-me, nós só começamos. As imagens mais detalhadas e descritivas da Terra na Era do Reino estão em Isaías, e elas vão tirar o seu fôlego. Mais na próxima vez. 21-02-09