Os Tempos do Fim Segundo Daniel - Parte 3 - Capítulos 10 a 12

Um estudo Bíblico por Jack Kelley

No capítulo 10, Daniel fala de uma revelação que recebeu em 539 AC com relação à grande guerra por vir. Ela estava ainda 200 anos distante e duraria cerca de 200 anos depois disso, e lançaria os Selêucidas contra os Ptolomeus. Lembre-se de nosso estudo anterior que Seleuco e Ptolomeu eram dois dos quatro generais que assumiram o poder após a morte de Alexandre o Grande e dividiram o Império Grego entre si. Seleuco tomou partes da Turquia, Síria, Líbano e, mais tarde, Irã e Iraque, enquanto Ptolomeu ficou com o Egito, Israel e a Jordânia.

Esta visão perturbou Daniel porque ele pode ver que Israel seria pego no meio da batalha entre eles. Os Selêucidas estariam localizados na fronteira norte de Israel e os Ptolomeus estariam logo ao sul. A única forma de qualquer um confrontar o outro seria fazendo seus exércitos marcharem através de Israel. Então ele fez um jejum limitado e começou a orar por entendimento.

Três semanas depois um anjo o visitou e forneceu uma explicação mais detalhada da revelação. Esses detalhes estão contidos nos capítulos 11 e 12 e têm dado aos historiadores informações suficientes para documentar 135 profecias cumpridas historicamente nos primeiros 35 versos do capítulo 11. Essa demonstração sem paralelos da profecia preditiva tem feito com que o Livro de Daniel seja cuidadosamente inspecionado por aqueles que esperam encontrar falhas nas profecias, ou pistas que justificariam sua alegação de que Daniel é na verdade um livro de história, escrito por alguma outra pessoa depois de os eventos que descreve terem ocorrido,ao invés de profecia. Mas o único resultado dessa inspeção tem sido que Daniel é agora o livro mais extensivamente validado em toda a Bíblia. Retomaremos a explicação do anjo no começo da era dos Reis do Sul e do Norte.

Daniel 11
Os Reis do Sul e do Norte
"Eu, pois, no primeiro ano de Dario, o medo, levantei-me para animá-lo e fortalecê-lo. E agora te declararei a verdade: Eis que ainda três reis estarão na Pérsia, e o quarto acumulará grandes riquezas, mais do que todos; e, tornando-se forte, por suas riquezas, suscitará a todos contra o reino da Grécia. Depois se levantará um rei valente, que reinará com grande domínio, e fará o que lhe aprouver. Mas, estando ele em pé, o seu reino será quebrado, e será repartido para os quatro ventos do céu; mas não para a sua posteridade, nem tampouco segundo o seu domínio com que reinou, porque o seu reino será arrancado, e passará a outros que não eles." (Daniel 11:1-4)

Os três que sucederiam Ciro como Rei da Pérsia eram Cambises (530-522 AC), Pseudo-Smerdis (522 AC) e Dario I (522-486 AC). O quarto era Xerxes I (486-465 AC) que escolheu a jovem Judia Ester para ser sua esposa. Sua história é contada no Livro de Ester e em breve estreiará um grande filme.

130 anos depois, Alexandre o Grande derrotou o Rei Persa Dario III na batalha de Guagamela, efetivamente conquistando o Império Persa. Quando Alexandre morreu poucos anos mais tarde, seus quatro generais comandantes assumiram e o relato agora se concentrará nos descendentes de dois deles. Os da família de Seleuco são chamados de "Rei do Norte" e os da de Ptolomeu "Rei do Sul".

Como esse relato pode ser verificado no registro histórico, e como o foco deste estudo são as profecias de Daniel para os Tempos do Fim, eu somente inserirei os nomes dos personagens centrais e as datas de seus reinados onde for aplicável e uma nota ou duas à medida que prosseguirmos. Isto nos dará uma pista da incrível precisão das profecias em Daniel 11 e nos preparará para a mudança da história para a profecia no verso 36. Todas as datas são AC, é claro.

"E será forte o rei do sul (Ptolomeu I Sotero, 323-285); mas um dos seus príncipes (Seleuco I Nicator, 311-280) será mais forte do que ele, e reinará poderosamente; seu domínio será grande (Babilônia). Mas, ao fim de alguns anos, eles se aliarão; e a filha do rei do sul (Berenice, filha de Ptolomeu II Filadelfo, 285-246) virá ao rei do norte (Antíoco II Teos, 261-246) para fazer um tratado; mas ela não reterá a força do seu braço; nem ele persistirá, nem o seu braço, porque ela será entregue, e os que a tiverem trazido, e seu pai, e o que a fortalecia naqueles tempos. (Antíoco deixou sua esposa Laodice por Berenice, mas Laodice conspirou para matar Antíoco, Berenice e o pai dela Ptolomeu II. A cidade de Laodicéia em Apo. 3 recebeu dela o seu nome.)" (Daniel 11:5-6)

"Mas de um renovo das raízes dela um se levantará em seu lugar (O irmão de Berenice Ptolomeu III Euergete, 246-221. Ele matou Laodice para vingar sua irmã e seu pai), e virá com o exército, e entrará na fortaleza do rei do norte (Seleuco II Calinico, 246-226), e operará contra eles, e prevalecerá. Também os seus deuses com as suas imagens de fundição, com os seus objetos preciosos de prata e ouro, levará cativos para o Egito; e por alguns anos ele persistirá contra o rei do norte. E entrará no reino o rei do sul, e tornará para a sua terra. Mas seus filhos (Seleuco III Cerano, 226-223 e Antíoco III, chamado O Grande, 223-187) intervirão e reunirão uma multidão de grandes forças; e virá apressadamente e inundará, e passará adiante; e, voltando levará a guerra até a sua fortaleza." (Daniel 11:7-10)

"Então o rei do sul (Ptolomeu IV Filopator, 221-203) se exasperará, e sairá, e pelejará contra ele, contra o rei do norte (Antíoco o Grande); este porá em campo grande multidão, e aquela multidão será entregue na sua mão (a Guerra de Raphia em 217). A multidão será tirada e o seu coração se elevará; mas ainda que derrubará muitos milhares (10.000 de acordo com o historiador Políbio), contudo não prevalecerá. Porque o rei do norte (ainda Antíoco) tornará, e porá em campo uma multidão maior do que a primeira, e ao fim dos tempos, isto é, de anos, virá à pressa com grande exército e com muitas riquezas." (Daniel 11:11-13)

"E, naqueles tempos, muitos se levantarão contra o rei do sul (Ptolomeu V Epifânio, 203-181); e os violentos dentre o teu povo (Judeus) se levantarão para cumprir a visão, mas eles cairão (o general Scopas de Ptolomeu esmagou a rebelião em 200). E o rei do norte (ainda Antíoco o Grande) virá, e levantará baluartes, e tomará a cidade forte; e os braços do sul não poderão resistir, nem o seu povo escolhido, pois não haverá força para resistir. O que, pois, há de vir contra ele fará segundo a sua vontade, e ninguém poderá resistir diante dele; e estará na terra gloriosa (Israel, capturada do Rei do Sul em 197), e por sua mão haverá destruição. E dirigirá o seu rosto, para vir com a potência de todo o seu reino, e com ele os retos, assim ele fará; e lhe dará uma filha das mulheres (Cleópatra I se casou com Ptolomeu V em 194), para corrompê-la; ela, porém, não subsistirá, nem será para ele (Não confunda esta Cleópatra com a outra, Cleópatra II, consorte tanto de Júlio Cesar quanto de Marco Antônio). Depois virará o seu rosto para as ilhas (aliando-se com o General Cartaginêz Aníbal), e tomará muitas; mas um príncipe (o Cônsul Romano Lúcio Cornélio Cípio Asiático, com quem Cleópatra e Ptolomeu se aliaram) fará cessar o seu opróbrio contra ele, e ainda fará recair sobre ele o seu opróbrio. Virará então o seu rosto para as fortalezas da sua própria terra, mas tropeçará, e cairá, e não será achado (Antíoco o Grande morreu em batalha em 187)." (Daniel 11:14-19)

"E em seu lugar se levantará (Antíoco IV Filopator) quem fará passar um arrecadador (Heliodoro)pela glória do reino; mas em poucos dias será quebrantado, e isto sem ira e sem batalha (Heliodoro engendrou um golpe contra ele). Depois se levantará em seu lugar um homem vil (Antíoco IV Epifânio, 175-164), ao qual não tinham dado a dignidade real (Antíoco Epifânio montou uma revolta palaciana contra seu jovem primo e herdeiro por direito, Demétrio I); mas ele virá caladamente, e tomará o reino com engano.E com os braços de uma inundação serão varridos de diante dele; e serão quebrantados, como também o príncipe da aliança (Onias III, o último Sumo Sacerdote Legítimo, que foi assassinado em 170). E, depois do concerto com ele, usará de engano; e subirá, e se tornará forte com pouca gente.Virá também caladamente aos lugares mais férteis da província, e fará o que nunca fizeram seus pais, nem os pais de seus pais; repartirá entre eles a presa e os despojos, e os bens, e formará os seus projetos contra as fortalezas, mas por certo tempo." (Daniel 11:20-24)

"E suscitará a sua força e a sua coragem contra o rei do sul (Ptolomeu VI) com um grande exército; e o rei do sul se envolverá na guerra com um grande e mui poderoso exército; mas não subsistirá, porque maquinarão projetos contra ele. E os que comerem os seus alimentos (a família de Ptolomeu) o destruirão; e o exército dele será arrazado, e cairão muitos mortos. Também estes dois reis (Antíoco e Ptolomeu) terão o coração atento para fazerem o mal, e a uma mesma mesa falarão a mentira; mas isso não prosperará, porque ainda verá o fim no tempo determinado. Então tornará para a sua terra com muitos bens, e o seu coração será contra a santa aliança; e fará o que lhe aprouver, e tornará para a sua terra." (Em seu caminho de volta à Síria em 169, Antíoco Epifanes pilhou o Templo em Jerusalém e matou muitos sacerdotes.) (Daniel 11:25-28)

"No tempo determinado tornará a vir em direção do sul; mas não será na última vez como foi na primeira. Porque virão contra ele navios de Quitim (Roma), que lhe causarão tristeza; e voltará, e se indignará contra a santa aliança, e fará o que lhe aprouver; voltará e atenderá aos que tiverem abandonado a santa aliança." (Daniel 11:29-30) (Com Antíoco de pé no Egito na praia do Mediterrâneo, o comandante Romano Popilius Laenas fez um círculo ao redor dele na areia, dizendo-lhe que se ele pisasse fora do círculo por qualquer razão que não se render e voltar para casa, seria morto. Humilhado e furioso ele direcionou sua ira contra os Judeus, detonando a revolta dos Macabeus.)

"E braços serão colocados sobre ele, que profanarão o santuário e a fortaleza, e tirarão o sacrifício contínuo, estabelecendo abominação desoladora (168). E aos violadores da aliança ele com lisonjas perverterá, mas o povo que conhece ao seu Deus se tornará forte e fará proezas." (Os Hasidim, que permaneceram fiéis a Deus, foram os ancestrais dos atuais Judeus Hasídicos. Eles eram renomados mundialmente por seu comércio de diamantes) (Daniel 11:31-32)

"E os entendidos entre o povo ensinarão a muitos; todavia cairão pela espada, e pelo fogo, e pelo cativeiro, e pelo roubo, por muitos dias. E, caindo eles, serão ajudados com pequeno socorro; mas muitos se ajuntarão a eles com lisonjas(Os Macabeus, que derrotaram Antíoco, purificaram o Templo e restauraram a autonomia Judaica, estabelecendo a Dinastia Hasmoneana que governou Israel por cerca de 100 anos até chegarem os Romanos). E alguns dos entendidos cairão, para serem provados, purificados, e embranquecidos, até ao fim do tempo, porque será ainda para o tempo determinado." (Daniel 11:33-35)

O Rei Que Exalta a Si Mesmo
"E este rei fará conforme a sua vontade, e levantar-se-á, e engrandecer-se-á sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas espantosas, e será próspero, até que a ira se complete; porque aquilo que está determinado será feito. E não terá respeito ao Deus de seus pais, nem terá respeito ao amor das mulheres, nem a deus algum, porque sobre tudo se engrandecerá. Mas em seu lugar honrará a um deus das forças; e a um deus a quem seus pais não conheceram honrará com ouro, e com prata, e com pedras preciosas, e com coisas agradáveis. Com o auxílio de um deus estranho agirá contra as poderosas fortalezas; aos que o reconhecerem multiplicará a honra, e os fará reinar sobre muitos, e repartirá a terra por preço." (Daniel 11:36-39)

Com o verso 36 saltamos da história para a profecia e estamos na metade da 70ª Semana de Daniel, no começo da Grande Tribulação. Estamos agora discutindo o homem de quem Antíoco Epifânio é o nosso mais claro modelo, o Anticristo, chamado de "este rei" aqui. Note a similaridade entre esta passagem e 2 Tes. 2:4: "O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus."

O Anticristo parecerá ser vitoriosos pela maior parte do seu tempo no comando, porque Deus determinou que a 70ª Semana de Daniel transcorra. Ele não temerá a Deus o Pai, pretendendo, ao contrário, substituí-Lo. Nem temerá o Filho. Era o sonho de toda mulher Judia ser a mãe do Messias, então a frase "o amor das mulheres" se refere a Jesus. E, como Paulo escreveu, ele se colocará acima de tudo que se chama Deus. Ele honrará um deus estranho, um deus das forças, com muita prata e ouro.

Já que ele se exaltará acima de tudo o que é chamado deus, não consigo vê-lo adorando nenhum deus. Ao contrário, acho que esse deus das forças é o seu poder militar, comprado por alto preço e suficiente para superar até mesmo a mais obstinada resitência. Ao mesmo tempo, ele recompensará àqueles que lhe forem leais com grande riqueza, poder e terras. Esta é a definitiva estratégia de recompensa e punição.

 

"E, no fim do tempo, o rei do sul lutará com ele, e o rei do norte se levantará contra ele com carros, e com cavaleiros, e com muitos navios; e entrará nas suas terras e as inundará, e passará. E entrará na terra gloriosa, e muitos países cairão, mas da sua mão escaparão estes: Edom e Moabe, e os chefes dos filhos de Amom. E estenderá a sua mão contra os países, e a terra do Egito não escapará. E apoderar-se-á dos tesouros de ouro e de prata e de todas as coisas preciosas do Egito; e os líbios e os etíopes o seguirão. Mas os rumores do oriente e do norte o espantarão; e sairá com grande furor, para destruir e extirpar a muitos. E armará as tendas do seu palácio entre o mar grande e o monte santo e glorioso; mas chegará ao seu fim, e não haverá quem o socorra." (Daniel 11:40-45)

Apesar de Antíoco, que foi o seu modelo, ser ele mesmo o Rei do Norte, o Anticristo não é. Sabemos disso porque os Reis do Sul e do Norte vêm ambos contra ele aqui. Alguns dizem que temos que encontrar um novo Rei do Norte para esta passagem e sugerem a Rússia, mas eu acho que o modelo foi demasiado firmemente estabelecido nos versos anteriores para justificar uma mudança sem aviso. Não, eu creio que os remanescentes dos Impérios Selêucida e Ptolomaico do fim dos tempos tentarão reestabelecer sua dominância histórica sobre o Oriente Médio. Isso provavelmente virá em forma dos Muçulmanos não Árabes, o Rei do Norte, disputando com os Muçulmanos Árabes, o Rei do Sul, pelo controle do mundo Muçulmano. O Anticristo derrotará a ambos e mudará seu quartel general para Israel, exercendo controle a partir de lá sobre um mundo que parece excluir somente uma área do deserto da Jordânia chamado Petra (Bosra em Isaías 63), onde o remanescente fiel de Israel aguarda o retorno do legítimo Rei da Terra (Apo. 12:14).

Mas a coalisão de vitoriosos das guerras recentemente deflagradas a leste do Eufrates, sentindo que seu controle ainda não é absoluto, começarão sua marcha para Armagedom no intenção de capturar o Oriente Médio e toda a sua riqueza para si próprios. Nem mesmo o próprio diabo pode evitar que o homem haja em sua ganância e, quando o Anticristo vê esse enorme exército descendo do Leste e do Norte, ele vai em seu encalço em ira.

Aqueles de vocês que acompanharam nosso estudo sobre Apocalipse se lembrarão que em Apo. 9 nós vimos uma grande guerra entre os poderes do Oriente Longínquo pelo domínio da região. Então, em Apo. 16, o Rio Eufrates secou para permitir que os vitoriosos nessa guerra se reunissem e atravessassem para o Oriente Médio, com a intenção de conquistar. Este é o relato do Leste e do Norte que Daniel está descrevendo. Lembre-se de que o Rei do Norte acaba de ser derrotado, então relatos de movimento de tropas do Norte devem indicar outra pessoa. Talvez esta seja a aliança Sino-Russa que o mundo teme a tanto tempo.

Daniel 12
O Tempo do Fim
"E NAQUELE tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça, como as estrelas sempre e eternamente. E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará." (Daniel 12:1-4)

Uma vez mais, somos lembrados de que esta é a Grande Tribulação. Durante esse tempo o povo de Daniel, o remanescente de Israel, estará protegido no deserto da Jordânia, aguardando sua libertação pelo Messias. Quando Ele retornar para salvá-los e estabelecer Seu Reino, os fieis do passado de Israel sairão da terra para receber a promessa em que morreram crendo, de que Deus um dia enviaria um redentor para pagar por seus pecados para que Ele pudesse habitar com eles para sempre. 1000 anos depois os descrentes também serão despertados, mas para a vergonha e desprezo eternos.

Então eu, Daniel, olhei, e eis que estavam em pé outros dois, um deste lado, à beira do rio, e o outro do outro lado, à beira do rio. E ele disse ao homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio: "Quando será o fim destas maravilhas?"

E ouvi o homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio, o qual levantou ao céu a sua mão direita e a sua mão esquerda, e jurou por aquele que vive eternamente que isso seria para um tempo, tempos e metade do tempo, e quando tiverem acabado de espalhar o poder do povo santo, todas estas coisas serão cumpridas. (Daniel 12:5-7)

A Grande Tribulação durará 3 anos e meio, o tempo necessário para quebrar o orgulho humano do povo Judeu e amolecer seus corações para receber o Rei que tem esperado por tanto tempo que eles O aceitem.

Eu, pois, ouvi, mas não entendi; por isso eu disse: "Senhor meu, qual será o fim destas coisas?"

E ele disse: "Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até ao tempo do fim. Muitos serão purificados, e embranquecidos, e provados; mas os ímpios procederão impiamente, e nenhum dos ímpios entenderá, mas os sábios entenderão."

"E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias. Bem-aventurado o que espera e chega até mil trezentos e trinta e cinco dias."

"Tu, porém, vai até ao fim; porque descansarás, e te levantarás na tua herança, no fim dos dias." (Daniel 12:8-13)

Diferentemente de João, a quem foi dito para não selar as palavras que escreveu (Apo. 22:10), Daniel soube que havia recebido todos os detalhes que Deus havia preparado para lhe dar. A profecia era para o Fim dos Tempos. O anjo lhe disse que nenhum dos ímpios jamais a entenderia, mas um dia aqueles que são sábios a desvendariam.

Então ele lançou dois números que, no que me diz respeito, nem mesmo os sábios têm uma pista a seu respeito. Eu li dúzias de interpretações dos 1290 e 1335 dias, e nenhuma é persuasiva, pelo menos para mim. Algumas delas arbitrariamente utilizam o conceito de um dia para um ano, outras somam 1290 e 1335 e outras ainda inserem o 13º mês Hebraico para explicar a diferença entre os claros 1260 dias de duração da Grande Tribulação e o número 1290 apresentado aqui. Os mais honestos admitem estar lançando mera especulação.

Pessoalmente, eu acho que esses números são como os 7 trovões de Apo. 10 e o 666 de Apo. 13. Deus ainda não revelou seu verdadeiro significado ao homem, talvez porque ao fazê-lo revelaria detalhes demais sobre os Tempos do Fim e alertaria o inimigo prematuramente. E note que eles são dados a Daniel depois de lhe ser dito que os sábios um dia entenderiam essa profecia. A mim me parece que a promessa do anjo não incluía os 1290 e 1335 dias.

Mas eu posso especular com as melhores delas, então aqui vai. Se eu estiver errado e o significado desse dois números não é ainda um segredo do Senhor, então a explicação deve ser tão simples que passamos bem ao lado dela. Por exemplo, várias vezes nos foi dito que serão 1260 dias desde a Abominação da Desolação até o fim da Grande Tribulação. Imediatamente depois disso, aqueles que sobreviveram a ela verão o Filho do homem, e finalmente o próprio Senhor aparecerá no céu (Mat. 24:29-30). Tudo isso parece bem claro.

Mas então, três vezes no decorrer de 23 versos Jesus disse que os que estiverem sobre a Terra não saberão o dia e a hora de Seu retorno a eles com antecedência ( Mat. 24:42, 44 e 25:13).

Se Ele aparecer no céu em Rosh Hashanah, como eu acredito, e se Seu primeiro ato oficial é de julgamento, como Mat. 25:31 parece dizer, então talvez esse julgamento começará em Yom Kippur, 10 dias depois de Rosh Hashanah. Seu verdadeiro aparecimento sobre a Terra poderia acontecer em um momento conhecido somente por Ele entre esses dois Dias Santos. Suponha que 20 dias sejam então consumidos no julgamento de Israel (Mat. 19:28), e dos Gentios ()Mat. 25:31-46) e na purificação do Templo profanado, deixando adequado ao uso novamente. (A essa altura você já sabe que estou convencido de que o mesmo Templo usado durante a 70ª Semana será usado no Milênio. Se não, leia meu estudo chamado "O Templo Vindouro".) Esse cenário perfaria 1290 dias desde a Abominação da Desolação até a re-dedicação do Templo purificado, consistente com a visão defendida por alguns de que o período de 1290 dias se relaciona à disposição do Templo, não ao retorno do Senhor.

Mas então vêm mais 45 dias para o total de 1335. Eu sugiro que esse tempo possa ser necessário para estabelecer o Reino. Há muito que precisa ser feito, como coroar o Príncipe de Israel, organizar o sacerdócio segundo a família de Zadoque e lhes ensinar suas novas tarefas, especialmente em relação ao novo ciclo de Dias Santos (Eze. 44-46), posicionar a Nova Jerusalém em sua órbita acima da Terra, redistribuir as posses Tribais em Israel (Eze. 45 e 48) e instalar os governos das Nações. Se as coisas se desdobrarem como eu as descrevi, e este é um grande "se", então 1335 dias depois da Abominação o Reino Milenar será oficialmente inaugurado.

Aqueles que tiverem aguardado e realmente alcançado aquele dia serão verdadeiramente abençoados, porque terão sido testemunhas do mais espetacular período na história humana, e na sua conclusão terão se encontrado entre os vitoriosos, destinados a experimentar a realização de todos os seus sonhos. Será uma celebração tal como nunca houve antes na Terra. Se você escutar com atenção, quase pode ouvir os passos do Messias. 30-09-06