Os Tempos do Fim Segundo Isaías, Parte 10

Estudo Bíblico por Jack Kelley

Neste capítulo, daremos outra olhada na destruição de Babilônia, desta vez de uma perspectiva espiritual. Em questão aqui está a origem das religiões pagãs do mundo e o esforço de Satanás para se fazer o objeto de toda adoração. Então observaremos que Israel é uma vez mais feita a principal nação da Terra.

Isaías 47:1-15 A Queda de Babilônia

"Desce, e assenta-te no pó, ó virgem filha de Babilônia; assenta-te no chão; já não há trono, ó filha dos caldeus, porque nunca mais serás chamada a tenra nem a delicada. Toma a mó, e mói a farinha; remove o teu véu, descalça os pés, descobre as pernas e passa os rios. A tua vergonha se descobrirá, e ver-se-á o teu opróbrio; tomarei vingança, e não pouparei a homem algum." (Isaías 47:1-3)

De acordo com Gêneses 10:8-12 Babilônia foi originalmente fundada por Ninrode. Sua esposa Semiramis, que às vezes personificaBabilônia nesta profecia, originalmente chamava a si mesma de Virgem do Mar, e possivelmente seja esta a fonte do retrato sarcástico de Babilônia por Isaías nesta passagem. Sua ordem para "assentar-se no chão, sem trono" é uma referência ao auto proclamado título da Babilônia de "Raínha dos Reinos". Continuar com instruções para agir como uma mulher comum daquele tempo é como dizer, "você não é nenhuma virgem nem nenhuma raínha. Você não é melhor do que ninguém." Como de costume, o Senhor fez com que Seu profeta usasse terminologia sexual para simbolizar sua falta de pureza.

O nosso redentor cujo nome é o Senhor dos Exércitos, é o Santo de Israel.

"Assenta-te calada, e entra nas trevas, ó filha dos caldeus, porque nunca mais serás chamada senhora de reinos. Muito me agastei contra o meu povo, profanei a minha herança, e os entreguei na tua mão; porém não usaste com eles de misericórdia, e até sobre os velhos fizeste muito pesado o teu jugo." (Isaías 47:4-6)

Eis aqui uma profecia de que Deus ordenaria o cativeiro de Babilônico por causa da desobediência de Israel. Jeremias diria mais tarde que Deus estava entregando Israel para Babilônia por 70 anos e despois disso Ele julgaria os Babilônicos por sua culpa (Jeremias 25:8-12). Alguns têm questionado os motivos do Senhor para julgar Babilônia por simplesmente obedecer às Suas instruções, e para eles a profecia de Isaías também contem Sua resposta à sua acusação.

"E disseste: 'Eu serei senhora para sempre;' até agora não te importaste com estas coisas, nem te lembraste do fim delas. Agora, pois, ouve isto, tu que és dada a prazeres, que habitas tão segura, que dizes no teu coração: 'Eu o sou, e fora de mim não há outra; não ficarei viúva, nem conhecerei a perda de filhos.' Porém ambas estas coisas virão sobre ti num momento, no mesmo dia, perda de filhos e viuvez; em toda a sua plenitude virão sobre ti, por causa da multidão das tuas feitiçarias, e da grande abundância dos teus muitos encantamentos." (Isaías 47:7-9)

Sob influência Satânica, Semiramis declarou que havia sido engravidada pelo deus Sol e então deu à luz um filho, Tamuz. Quando ele foi morto em um acidente de caçada, ela entrou em luto. Depois de 40 dias ele supostamente se levantou dos mortos. Semiramis desde então chamou a si mesma de eterna Rainha do Céu e estabeleceu um sacerdócio celibatário com um líder "infalível" para organizar a adoração dela e de seu filho. Ela concluiu que ser a esposa de um deus e a mãe de um filho "ressuscitado" fazia dela uma deusa e significava que ela jamais eria viúva, nem sofreria a perda de filhos.

É claro que tudo isso era bobagem, colocada em sua cabeça por Satanás, o autor da mentira. Mas ela se tornou tão poderosa que sua história continuou sendo vivida de uma forma ou de outra em todas as principais mitologias, e quando a religião pagã de Roma foi mesclada ao Cristianismo no Século IV, tradições que começaram com ela foram continuadas na Igreja Romana. O Visco, a hacha de Yule, o panetone (com uma cruz no topo), a árvore sempre verde (árvore de natal), os 40 dias da quaresma, a elevação de Maria e outras, todas vêm do culto Babilônico da mãe-filho disseminado por Semíramis. Até mesmo a Bíblia reconhece sua notoriedade. A frase "terra de Sinar" é tida por alguns como sendo derivada do seu nome.

Mas como Apocalipse 18:4-8 confirma, destruição total viria repentinamente sobre o reino que ela personifica. Utilizando uma porção de Isaías 47:7-9, João dá suporte à visão de que ele estava falando da Babilônia literal, não algum outro lugar. No fim dos tempos, a grande religião Babilônica retornará ao seu lugar de origem para morrer no local do seu nascimento. Zacarias 5:5-11explica isto:

E saiu o anjo, que falava comigo, e disse-me: "Levanta agora os teus olhos, e vê que é isto que sai."

E eu disse: "Que é isto?"
E ele disse: "Isto é um efa que sai." Disse ainda: "Este é o aspecto deles em toda a terra."

E eis que foi levantado um talento de chumbo, e uma mulher estava assentada no meio do efa. E ele disse: "Esta é a impiedade." E a lançou dentro do efa; e lançou sobre a boca deste o peso de chumbo.

E levantei os meus olhos, e vi, e eis que saíram duas mulheres; e traziam vento nas suas asas, pois tinham asas como as da cegonha; e levantaram o efa entre a terra e o céu.

Então eu disse ao anjo que falava comigo: "Para onde levam elas o efa?"

E ele me disse: "Para lhe edificarem uma casa na terra de Sinar; e, estando ela acabada, ele será posto ali na sua base."

Quando Babilônia foi conquistada (mas não destruída) o trono de seu culto da mãe-filho primeiramente se mudou para Pérgamo, onde Satanás tinha o seu trono (Apo. 2:13), e então para Roma. Até agora ele nunca retornou para Babilônia, mas 100 anos depois de os Persas terem conquistado Babilônia, Zacarias escreveu que ele retornará. O espírito de Semíramis é a mulher no efa que personifica a impiedade. Quando chegar a hora ela será devolvida a seu lar ancestral. A palavra Hebraica traduzida acima como Sinar (Babilônia na KJV) é Shinar. Devemos lembrar que conquanto Shinar possa ou não ser um derivativo de Semíramis, este é o local físico na Mesopotâmia chamado de Babilônia.

Após o Arrebatamento, os dois maiores e mais poderosos sistemas religiosos sobre a Terra serão a Igreja Católica e o Islã. Em Apo. 17, João descreve como por um tempo eles parecerão estarem unidos. Uma mulher, identificada como a misteriosa Babilônia, a mãe das prostitutas, estará montada em uma besta, que foi descrita anteriormente como o Anticristo e seu reino. (Algumas tradições dizem que longe de ser a Virgem do Mar, Semíramis era a dona de um bordel quando conheceu Ninrode. Se for assim, ela realmente é a "mãe das prostitutas".)

A mulher e a besta não são a mesma pessoa, mas por um tempo parecerão estar coligadas. A mulher, sendo a amazona, irá na verdade ser o parceiro dominante a princípio e foi ha muito identificada como a Igreja Católica. Mas, como Apo. 17:16 nos diz, o Anticristo e seu reino na verdade odiarão a mulher, e agindo sob as ordens de Deus, a destruirão.

Agora, pense nisto. Se o Anticristo virá da Igreja Católica, como alguns acreditam, destruiria ele o próprio sistema que encabeça? Eu acho que não. Mas hoje os países que formaram a perna Oriental do antigo Império Romano são Islâmicas, e o Anticristo poderia facilmente vir de lá bem como do Ocidente. Uma das táticas centrais do Islã é fazer paz com o inimigo até que sejam fortes o suficiente para conquistá-lo. Para mim, é perfeitamente lógico ver a figura messiânica do Islã, a quem alguns chamam de Mahdi, se aliando ao Papa após o arrebatamento até que se torne poderoso o suficiente para consolidar o mundo todo sob o Islã e eliminar a religião Católica. As profecias tanto de João quanto de Zacarias podriam ser cumpridas desta forma com a religião única mundial sediada em Babilônia. Se for assim, o local do seu nascimento se tornará o local da sua morte, exatamento como Isaías predisse.

"Porque confiaste na tua maldade e disseste: Ninguém me pode ver; a tua sabedoria e o teu conhecimento, isso te fez desviar, e disseste no teu coração: Eu sou, e fora de mim não há outra. Portanto sobre ti virá o mal, sem que saibas a sua origem, e tal destruição cairá sobre ti, sem que a possas evitar; e virá sobre ti de repente desolação que não poderás conhecer. (Isaías 47:10-11)

A religião Babilônica sempre assumiu que não há outra maior, nenum poder para censurá-la. Mas quando o dia da sua destruição chegar, nem grande riqueza nem poder sobrenatural serão suficientes para resgatá-la.

"Deixa-te estar com os teus encantamentos, e com a multidão das tuas feitiçarias, em que trabalhaste desde a tua mocidade, a ver se podes tirar proveito, ou se porventura te podes fortalecer. Cansaste-te na multidão dos teus conselhos; levantem-se pois agora os agoureiros dos céus, os que contemplavam os astros, os prognosticadores das luas novas, e salvem-te do que há de vir sobre ti. Eis que serão como a pragana, o fogo os queimará; não poderão salvar a sua vida do poder das chamas; não haverá brasas, para se aquentar, nem fogo para se assentar junto dele. Assim serão para contigo aqueles com quem trabalhaste, os teus negociantes desde a tua mocidade; cada qual irá vagueando pelo seu caminho; ninguém te salvará." (Isaías 47:12-15)

Hoje, alguns descrentes descartam o cristianismo como uma corrupção da Lenda de Semíramis, somente outro culto da mãe-filho com Maria no papel de Rainha do Céu e Jesus como o filho ressuscitado, Tamuz. Mas aqui Isaías mostra que apesar de o mito preceder a verdade no cumprimento, foi o conhecimento antecipado da verdade que produziu o mito. Muito antes de os profetas escreverem sobre um Messias vindouro, Deus escreveu o evangelho nas estrelas. Ele era chamado de Mazzaroth e se baseava em 12 constelações com um total de 48 estrelas tradicionalmente nomeadas por Adão, Sete e Enoque. Chamadas por seus nomes Hebraicos, as estrelas nessas 12 constelações falam de um redentor vindouro que nasceria de uma virgem, morreria pelo povo e seria ressucitado à vida. Mas, ainda agindo sob a influência de Satanás, Semíramis e seus sacerdotes corromperam o Mazzaroth nos 12 signos do zodíaco, dando origem à blasfêmia que hoje chamamos de astrologia. Evidências disso foram confirmadas nas ruínas da torre de Babel, um dos propósitos da qual era o estudo da astrologia. É por isso que em tempos Bíblicos a prática da astrologia era um crime punível com a morte (Deut. 18:10). (Você que segue o seu horóscopo, deveria se alertar)

Não importa quão astuto o seu conhecimento, nem quão compreensiva sua experiência, nenhum astrólogo será capaz de salvar a si mesmo(a) dos juízos de Deus, sem falar em seu mentor e em sua deusa, Semíramis.

Isaías 49:8-26. A Restauração de Israel

Assim diz o Senhor: "No tempo aceitável te ouvi e no dia da salvação te ajudei, e te guardarei, e te darei por aliança do povo, para restaurares a terra, e dar-lhes em herança as herdades assoladas; para dizeres aos presos: 'Saí;' e aos que estão em trevas: 'Aparecei.' Eles pastarão nos caminhos, e em todos os lugares altos haverá o seu pasto. Nunca terão fome, nem sede, nem o calor, nem o sol os afligirá; porque o que se compadece deles os guiará e os levará mansamente aos mananciais das águas. E farei de todos os meus montes um caminho; e as minhas estradas serão levantadas. Eis que estes virão de longe, e eis que aqueles do norte, e do ocidente, e aqueles outros da terra de Sinim." (Isaías 49:8-12)

O Senhor sempre manteve um remanescente fiel de Israel. A cada geração alguns foram chamados para simplesmente manter o sonho vivo em seus corações, enquanto outros avançaram a agenda do Senhor, um pequeno e doloroso passo de cada vez. Mas em breve o tempo de espera estará terminado. Imagine o júbilo nos corações daqueles que ouvirem o chamado do Senhor para retomar as heranças tribais, como profetizado em Ezequiel 48. Quando isso acontecer, eles saberão que é para sempre, que seu tempo de dureza e expectativas não alcançadas terminou.

"Exultai, ó céus, e alegra-te, ó terra, e vós, montes, estalai com júbilo, porque o Senhor consolou o seu povo, e dos seus aflitos se compadecerá. Porém Sião diz: 'Já me desamparou o Senhor, e o meu Senhor se esqueceu de mim.'" (Isaías 49:13-14)

Depois de tantos séculos de desapontamento e coração partido, muitos serão incapazes de acreditar que isto realmente está acontecendo. Com o tempo eles espiritualizaram as promessas e alegorizaram as profecias até não mais parecer possível que o Senhor realmente retorne para eles. Sua resposta é pungente ao ponto de provocar lágrimas.

"Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre?
Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti. Eis que nas palmas das minhas mãos eu te gravei; os teus muros estão continuamente diante de mim. Os teus filhos pressurosamente virão, mas os teus destruidores e os teus assoladores sairão do meio de ti.

Levanta os teus olhos ao redor, e olha; todos estes que se ajuntam vêm a ti; vivo eu," diz o Senhor, "que de todos estes te vestirás, como de um ornamento, e te cingirás deles como noiva.

Porque nos teus desertos, e nos teus lugares solitários, e na tua terra destruída, agora te verás apertada de moradores, e os que te devoravam se afastarão para longe de ti. E até mesmo os filhos da tua orfandade dirão aos teus ouvidos: Muito estreito é para mim este lugar; aparta-te de mim, para que possa habitar nele.

E dirás no teu coração: 'Quem me gerou estes? Pois eu estava desfilhada e solitária; entrara em cativeiro, e me retirara; quem, pois, me criou estes? Eis que eu fui deixada sozinha; e estes onde estavam?'" (Isaías 49:15-21)

Enquanto o povo retorna em uma aparentemente infindável corrente, eles ficarão surpresos com seu número. Depois de 2000 anos de incansável perseguição o número da sua população ultrapassará em muito as suas expectativas. A verdadeira extensão da providência do Senhor será vista em sua preservação. E apesar de por 70 anos terem ouvido o mundo constantemente exigindo que diminuíssem, ao contrário, eles perceberão que precisarão crescer. A profecia de Ezequiel diz que Israel na Era do Reino se estenderá de 160 quilômetros ao norte de Damasco até 160 quilômetros ao sul de Jerusalém e do Mar Mediterrâneo até o Rio Jordão, então isto será mais do que o suficiente para as suas necessidades.

Assim diz o Senhor Deus: "Eis que levantarei a minha mão para os gentios, e ante os povos arvorarei a minha bandeira; então trarão os teus filhos nos braços, e as tuas filhas serão levadas sobre os ombros. E os reis serão os teus aios, e as suas rainhas as tuas amas; diante de ti se inclinarão com o rosto em terra, e lamberão o pó dos teus pés; e saberás que eu sou o Senhor, que os que confiam em mim não serão confundidos." (Isaías 49:22-23)

Tendo labutado para manter suas populações Judias subjugadas e contidas no passado, líderes gentios lhes oferecerão todo tipo de assistência quando o Senhor retornar em vitória. Eles verão quão especial o povo Judeu é para o Senhor e não haverá limite para o que farão para mostrar apoio e afeição também.

Porventura tirar-se-ia a presa ao poderoso, ou escapariam os legalmente presos? Mas assim diz o Senhor: "Por certo que os presos se tirarão ao poderoso, e a presa do tirano escapará; porque eu contenderei com os que contendem contigo, e os teus filhos eu remirei.

E sustentarei os teus opressores com a sua própria carne, e com o seu próprio sangue se embriagarão, como com mosto; e toda a carne saberá que eu sou o Senhor, o teu Salvador, e o teu Redentor, o Forte de Jacó." (Isaías 49:24-26)

A riqueza de Israel será restaurada, e os seus cativos libertados. O Senhor pessoalmente cuidará disso. Os despojos dos seus inimigos serão tomados ao ponto de deixá-los totalmente destituídos, e eles finalmente perceberão que o Senhor vê a luta contra Israel como uma luta contra Ele mesmo. Mais na próxima vez. 14-03-09.