Conciliando Mateus 24 e Daniel 12

Um Estudo Bíblico por Jack Kelley

Um tempo atrás eu postei um estudo mostrando porque a frase "Ninguém Sabe o Dia ou a Hora" era para a 2ª Vinda, e não para o Arrebatamento. Mesmo que seja claro que a Grande Tribulação durará 1260 dias e que a 2ª Vinda a segue, o Senhor disse que as pessoas na Terra naquele momento não saberão o dia ou a hora de Sua vinda. Para enfatizar isso, Ele repete 4 vezes no intervalo de 28 versos (Mateus 24:36-37, 42-44, 50-51, 25:13)

Um leitor respondeu com a fascinante sugestão de que isso poderia ajudar a resolver o mistério dos 1290 dias e 1335 dias de Daniel 12:11-12. Aqui está o que ela escreveu.

"Eu concordo com você que Mateus 24:36-51 refere-se à volta do Senhor, no final da Tribulação, também conhecido como "o tempo de angústia de Jacó". No entanto, posso entender por que tantos cristãos ficam confusos e acham que esses versos podem referir-se ao arrebatamento. Costumava parecer estranho para mim que o "servo mau" mencionado em Mateus 24:48-51 poderia erroneamente pensar que "o Senhor tardava em vir", quando existem tantos lugares onde a extensão exata de tempo dos 3 anos e meio finais é apresentada, em Daniel 12:7 e Apocalipse 12:14 (tempo, tempos e metade de um tempo), Apocalipse 12:6 (1260 dias) e Apocalipse 13:5 (quarenta e dois meses). Devido a esses versos, a maioria dos cristãos tende a pensar que Jesus vai voltar no último dia da Grande Tribulação, então como Ele poderia atrasar a "Sua vinda"? Mas depois há aqueles versos intrigantes em Daniel 12:11-12:

"E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias. Bem-aventurado o que espera e chega até mil trezentos e trinta e cinco dias."

Eu sempre quis saber se há uma pequena pausa após os sete anos de tribulação e então o Senhor retorna, e Daniel 12:12 está falando dessa pequena pausa. Mateus 24:29-30 parece confirmar a pausa de que fala Daniel.

Mateus 24:29-30:
"E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas. Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória."

Se houver uma pausa entre o final da Tribulação e o retorno de nosso Senhor à terra (conosco seguindo atrás dele em nossos cavalos brancos), isso explica por que algumas pessoas sobre a terra, que não mantiveram sua fidelidade durante esse último espaço tempo após o fim da Tribulação, poderiam ser achadas infiéis, conforme Mateus 24:48-51:

"Mas se aquele mau servo disser no seu coração: O meu senhor tarde virá; e começar a espancar os seus conservos, e a comer e a beber com os ébrios, virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera, e à hora em que ele não sabe, e separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes."

Uma pausa como essa poderia também explicar por que as 10 virgens "adormeceram" à espera do Senhor. Suponho que tudo isso seja um ponto discutível para a Igreja, mas é uma daquelas coisas que eu pensava. O que você acha?"

Eis o que eu penso. Acho que colocar Daniel 12 e Mateus 24 juntos faz muito sentido. Para explicar porque, vai ser necessário alguma especulação da minha parte, pois a Bíblia não entra em muitos detalhes. Mas se você me permite um pouco de latitude, vou tentar não me desviar da intenção da Bíblia ao preencher algumas das lacunas relativas ao tempo da vinda do Senhor.

Imediatamente após o fim da Grande Tribulação, no 1260º dia após a abominação da desolação, o sol e a lua escurecerão, e as estrelas cairão do céu. Um período indeterminado de escuridão mundial total irá se seguir e em seguida um grande sinal aparecerá no céu escuro. Este sinal não foi descrito para nós, mas as pessoas na terra saberão que é o sinal do Senhor. Depois disso, num dia que ninguém terá conhecido de antemão, o Senhor vai aparecer de repente nas nuvens do céu com poder e grande glória (Mateus 24:29-30). Imagine se puder o contraste entre o céu totalmente negro e o brilho de Sua glória, especialmente depois de um longo período de escuridão total. Que visão!

Os exércitos do Céu estarão com Ele (Apocalipse 19:14), assim como a Igreja (Apocalipse 17:14). Ele estará vindo do deserto da Jordânia, onde terá derrotado as forças inimigas que tentavam destruir o remanescente Judeu escondido lá (Isaías 63:1-6). Ao tocar o pé no Monte das Oliveiras, um terremoto gigantesco abrirá uma ravina profunda, desde o Mediterrâneo até o Mar Morto. Água viva do Templo ao norte de Jerusalém irá imediatamente preencher a ravina, ligando as duas massas de água (Zacarias 14:1-9, Ezequiel 47:1-12).

Com nada mais do que a palavra da Sua boca Ele destruirá as forças dispostas contra Ele. O Anticristo e o Falso Profeta serão capturados e lançados no lago de fogo. Ele convocará um único anjo que pegará o diabo, o prenderá com correntes, e o lançará no abismo por 1000 anos (Apocalipse 19:11-20:3).

No final do dia a luz vai finalmente regressar à terra (Zacarias 14:6-7) trazida pela Nova Jerusalém descendo do céu (Apocalipse 21:22-24). Dizer que será um dia único é um dos maiores eufemismos de todos os tempos.

Se o Seu primeiro ato oficial é de julgamento, como Mateus 25:31-32 e Apocalipse 20:4 parecem dizer, então talvez ele comece imediatamente após a Sua chegada.

Este será um julgamento de sobreviventes da Tribulação. Os aprovados terão se mostrado crentes e serão recebidos pelo Senhor para a Era do Reino, a fim de ajudar a repovoar a Terra. Aqueles que não, serão lançados fora, retirados do planeta. Isto é resumido em Mateus 24:40 onde a palavra grega traduzida "tomado" significa receber para si mesmo, e a palavra para "deixado" significa ser posto fora.

O Senhor descreveu este juízo em maior detalhe na forma de quatro parábolas. A primeira descreve como Ele irá lidar com os falsos mestres, aqueles que levaram as pessoas a se extraviarem durante a Grande Tribulação. Esta é a Parábola dos Servos (Mateus 24:45-51).

Em seguida, vêm aqueles que perderam o ânimo e não conseguiram manter a sua própria salvação, como será exigido dos crentes da Tribulação (Apocalipse 14:12 e 16:15). Esta é a Parábola das 10 Virgens (Mateus 25:1-13).

Em seguida, vemos aqueles que não colocaram nenhum valor em Sua palavra. Eles não a estudaram ou compartilharam, mas, na verdade, enterram-na no solo e no processo perderam até mesmo o pouco de compreensão que tinham originalmente. Esta é a Parábola dos Talentos (Mateus 25:14-30).

E finalmente vem o julgamento das pessoas que lá estavam e viram o povo do Senhor ser quase levado à extinção sem levantar sequer um dedo para ajudá-los. Esta é a história do Julgamento dos Bodes e das Ovelhas (Mateus 25:31-46).

A próxima tarefa na agenda do Senhor vai envolver a limpeza do Templo profanado, tornando-o apto para uso novamente. (Eu estou convencido de que o mesmo Templo utilizado durante a 70ª semana de Daniel será usado no Milênio. Para mais detalhes, leia o meu estudo chamado "O Templo Vindouro".) Quando o Templo for re-dedicado, 1.290 dias terão passado desde a abominação da desolação. Isso é consistente com a opinião defendida por alguns de que o período de 1290 dias de Daniel 12:11 diz respeito à duração da desolação do Templo, e não ao retorno do Senhor.

Mas haverão ainda outros 45 dias antes de chegar aos 1335 dias dados a Daniel como o período de tempo desde a abominação da desolação até o início da bênção, o que vejo como sendo o início oficial do Milênio. Eu sugiro que esse tempo pode ser necessário para estabelecer o Reino. Há muita coisa que precisa ser feita, como coroar o príncipe de Israel e instalar o seu governo, organizar o sacerdócio segundo a família de Zadoque (Ezequiel 44:15-16) e ensinar-lhes as suas novas funções, especialmente a respeito de um novo ciclo de sacrifícios e Dias Santificados (Ezequiel 44-46), posicionar a Nova Jerusalém em sua órbita acima da Terra (Apocalipse 21:2-3), restabelecer os lotes tribais de terras em Israel (Ezequiel, 45 e 48) e instalar os governos das Nações. Se estas coisas se desenrolarem como eu descrevi, 1335 dias depois depois da Abominação, o Reino Milenar será oficialmente inaugurado.

Aqueles que esperarem e realmente chegarem até esse dia serão verdadeiramente abençoados, porque terão sido testemunhas oculares dos acontecimentos mais surpreendentes da história humana, e em sua conclusão terão se encontrado entre os vencedores, prontos para experimentar o cumprimento de todos os seus sonhos. Vai ser uma celebração como nunca antes foi vista na Terra. Se você fechar os olhos e ouvir com atenção, quase pode ouvir os passos do Messias. 07-11-09