Os Tempos do Fim Segundo Jesus - Parte 2

Um Estudo Bíblico por Jack Kelley – www.gracethrufaith.com

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo. E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.” (Mat 24.9-14)

As palavras aqui são muito similares àquelas em Lucas 21.20-24 coberto na parte 1, mas em Mateus o foco é claramente os Tempos do Fim. Os crentes serão severamente perseguidos no Final dos Tempos (versão de Mateus) assim como foram no começo (versão de Lucas). Logo antes do retorno do Senhor, as Boas Novas serão pregadas em todas as nações para preparar o povo da terra para Sua vinda e para lhes negar um desculpa plausível para o fato de rejeitá-Lo, ou seja, alegar ignorância.

“Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda; Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes; E quem estiver sobre o telhado não desça a tirar alguma coisa de sua casa; E quem estiver no campo não volte atrás a buscar as suas vestes. Mas ai das grávidas e das que amamentarem naqueles dias! E orai para que a vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado; Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver.” (Mat 24.15-21)

Essa porção destaca o começo da Grande Tribulação, um tempo de julgamento cujo próprio nome vem daqui (traduzida como grande aflição), que irá superar qualquer coisa que o mundo já tenha visto. O profeta Daniel escreveu sobre um tempo no futuro quando o Templo seria profanado por um evento que chamou de “a Abominação que causa Desolação” (Daniel 9.24-27) e o Senhor estava agora informando que esse evento iniciaria a Grande Tribulação.

Desde o tempo de Daniel, algo parecido com isso havia acontecido somente uma vez. Em 168 AC o rei sírio, Antíoco Epifânio, (o nome significa Deus manifestado), após forçar seu caminho até Israel, tomou o Templo e o converteu à adoração pagã. Ele erigiu uma estátua de Zeus no Lugar Santo com a sua própria aparência, exigindo que todos se curvassem diante dela sob pena de morte. Os judeus chamaram a essa profanação a Abominação que causa Desolação, emprestando o termo de Daniel 9.27. Isso os enraiveceu tanto que se levantaram em armas contra os invasores sírios. A Revolta de 3 anos e meio dos Macabeus, como é chamada, resultou na expulsão dos sírios de Israel e em uma cerimônia limpeza e re-dedicação do Templo que ainda é relembrada anualmente na Festa do Hanukkah.

Hoje, os estudantes dos tempos do fim vêem um modelo amedrontadoramente claro da Grande Tribulação na Revolta dos Macabeus, com um invasor estrangeiro que chama a si mesmo de Deus e que exige a adoração, uma profanação do Templo, e inacreditável perseguição terminando em uma guerra de libertação de 3 anos e meio. Como veremos isso é exatamente o que o senhor pretendia ao mencionar a Profecia de Daniel.

193 anos após a Revolta dos Macabeus, Jesus falou da Abominação que causa Desolação como algo ainda no futuro. E uma leitura cuidadosa de sua profecia das 70 semanas mostra que Daniel a colocou no meio da 70ª semana, muito depois da chegada e da rejeição do Messias, e da destruição da cidade e do santuário. Uma vez que nada disso aconteceu desde que o Senhor deu Seu aviso, significa que um dia, em breve, outro invasor estrangeiro forçará seu caminho para Israel, chamando a si mesmo de Deus e exigindo adoração. Haverá outra profanação do Templo, e mais uma inacreditável perseguição, culminando em outra guerra de libertação, só que desta vez o planeta inteiro será afetado, não somente Israel. De acordo com Daniel, começará na metade dos últimos 7 anos da história humana, estabelecendo sua duração em 3 anos e meio, exatamente como seu antigo modelo. Em 2 Tes 2.4, Paulo expandiu a narrativa de Daniel, conectando-a ao anticristo no final dos tempos. Estas coisas confirmam que o sacrilégio que iniciou a Revolta dos Macabeus serve como uma introdução para ajudar o povo a reconhecer o sacrilégio que iniciará a Grande Tribulação. (Veja também Apo. 13:14-17)

Há três fatores aqui que delineiam o “judaísmo” do aviso do Senhor. Primeiro haverá uma profanação de seu Templo, segundo o aviso é dado especificamente àqueles na Judéia, a região de Jerusalém em Israel, e em terceiro lugar há uma admoestação para orar para que não acontecerá no sábado, um dia em que a lei judaica proíbe viajar. Claramente o senhor estava dizendo que haverá uma nação de pessoas judias observando sua lei em Israel no fim dos tempos e que terão reconstruído seu Templo antes do Seu retorno.

“E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias. Então, se alguém vos disser: Eis que o Cristo está aqui, ou ali, não lhe deis crédito; Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos. Eis que eu vo-lo tenho predito. Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto, não saiais. Eis que ele está no interior da casa; não acrediteis. Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem. Pois onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão as águias” (Mat. 24.22-28).

A Grande Tribulação é o mais especificamente documentado período de tempo em toda a Escritura. Em um lugar nos é dito que são 3 anos e meio de duração (tempo, tempos e metade de um tempo; um ano mais dois anos mais a metade de um ano, como em Apo 12.14), em outro 42 meses (Apo 11.2) e em outro ainda 1260 dias, (Apo.12.6). Use o calendário original da terra, 12 meses de 30 dias cada um para um ano de 360 dias, e você verá que todas as três medidas são idênticas do ponto de vista do tempo. Além disso não há uma única sugestão em qualquer lugar de que será de uma duração menor. A maioria dos eruditos que lêem a passagem acima literalmente, concluem que a palavra “abreviados” significa que por causa de Seus eleitos o Senhor entrará no 1260° dia e porá um fim à guerra em vez de a deixar seguir até a sua conclusão lógica: a destruição de todo ser humano no planeta.

“E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas. Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus” (Mat. 24.29-31).

Ao trazer a Grande Tribulação a um fim, o Senhor fará o sol e a lua se escurecerem. Então seu sinal aparecerá no céu, e finalmente Ele Mesmo virá em poder e glória assim como prometeu a Caiafás, o Sumo Sacerdote, em seu julgamento 2000 anos atrás (Mat. 26.64). Todas as nações se lamentarão porque seu aparecimento soa o sinal de encerramento da Era da Graça. Tarde demais, os povos da terra perceberão que Ele é exatamente quem sempre disse ser, e que perderam sua última chance de salvação.

Ao Seu sinal, Seus anjos recolherão Seus eleitos (crentes) de todo o céu para retornar com Ele à terra e estabelecer seu reino. Esta é uma de duas sugestões vagas no Sermão da Montanha de que haverá um corpo de crentes no céu que esperam Sua 2ª vinda. Como veremos na próxima vez, decorreriam quase 20 anos antes que a identidade deste grupo fosse revelada. De acordo com a narrativa de Marcos, os crentes na terra serão chamados também (Marcos 13.27) para testemunhar Seu retorno triunfante.

“Aprendei, pois, esta parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão. Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam. O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar. Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai” (Matt. 24:32-36).

A figueira é a última a brotar, assim quando ela brota sabemos que o verão está quase aí. Através de Seus discípulos, o Senhor contou aos povos na terra no fim dos tempos que quando todas estas coisas começarem a acontecer, significa que o fim está muito próximo. De fato, da história de 6000 anos do homem somente 3 e meio restarão.

A palavra grega traduzida como geração significa também raça, e pode ser interpretada como a promessa do Senhor de que a raça judaica não estaria extinta antes que o fim venha. E isso é notàvelmente verdadeiro. As tentativas viciosas e freqüentemente repetidas de livrar o mundo de seu judaísmo todas falharam, e Israel levantou-se da sepultura após uma ausência de quase 2000 anos para uma vez mais se tornar o foco da atenção do mundo.

Contudo, há também um sentido em que a promessa do Senhor pode ser colocada, “Em verdade vos digo, a geração que vê o começo destes sinais verá também sua culminação.” Ou seja elas serão todas concluídas durante as vidas daqueles que nasceram quando elas começam. Há precedente para isto também. Todas as profecias a respeito da primeira visita do Senhor foram cumpridas dentro do tempo de vida da geração na qual Ele nasceu.

Por favor, note que se esta visão for a correta, acredito que sejam, o Senhor não prometeu que, uma vez que começassem, todas as profecias dos Tempos do Fim estariam cumpridas antes que a geração seguinte nascesse, mas somente que estariam cumpridas durante as vidas daqueles que estão nascendo em seu começo. Uma geração Bíblica é nominalmente de 40 anos, mas uma vida é mais próxima dos 70 (Salmo 90.10). As pessoas que somaram 40 anos ao renascimento de Israel em 1948 e predisseram que o Arrebatamento aconteceria em 1988, estavam fora em duas contagens.

1) Deveriam ter adicionado a duração de uma vida, não a duração de uma geração bíblica, e

2) É a 2ª Vinda que acontecerá dentro do tempo de vida a partir dos primeiros sinais. O Arrebatamento poderia acontecer em qualquer tempo anterior àquele. De fato, um dos dias mais prováveis em qualquer ano é o Pentecostes, que por acaso é hoje! Por favor, Senhor!

Se ainda estivermos aqui na semana que vem, terminaremos esta série e lhes mostraremos porque aqueles que procuram sinais do Arrebatamento da Igreja no Sermão do Monte estão olhando no lugar errado. Até lá, se escutar com atenção, você quase pode ouvir os passos do Messias.