Apocalipse 11.15 - 12.17

Um estudo Bíblico por Jack Kelley – www.gracethrufaith.com

No final do nosso último trecho do Livro de Apocalipse eu prometi dizer-lhe onde em Israel o próximo Templo será localizado. Então vamos começar com uma pequena revisão.

De acordo com as Profecias em Dan 9.27, Mat 24.15 e 2 Tes 2.4, existirá um Templo em Israel no começo da Grande Tribulação. Isso é confirmado em Apo 11.1 porque João mediu um Templo e contou os adoradores dentro dele pouco antes de a Tribulação começar.

Foi-lhe dito para omitir o pátio externo porque havia sido dado aos gentios. Sua localização é a “Cidade Santa” que será pisada pelos gentios por 42 meses, a duração da Grande Tribulação. O capítulo 11 também introduz as 2 testemunhas que pregam na “Grande Cidade” e lá elas são finalmente mortas, seus corpos deixados na rua. A Grande Cidade é identificada como o lugar onde o Senhor foi crucificado: Jerusalém. Ela tem sido pisada pelos gentios por 2000 anos. São a Cidade Santa e a Grande Cidade a mesma ou são diferentes? Vamos ver.

De acordo com Zac 14:6-9, no dia do retorno do Senhor um terremoto dividirá o Monte das Oliveiras em dois ao longo de uma linha leste-oeste que criará um grande vale através do centro de Jerusalém. Imediatamente um rio encherá o vale criando uma hidrovia do Mediterrâneo até o Mar Morto. Se o Senhor retornar para a mesma área do Monte das Oliveiras da qual Ele saiu, como sugerido por Atos 1.11, o terremoto que criará esse vale de leste a oeste destruirá o atual Monte do Templo e qualquer coisa que esteja sobre ele.

Eze 47.1-12 descreve um grande rio saindo debaixo do lado sul do Templo correndo em direção a oeste para o Mar Morto durante um período de tempo que a maioria dos eruditos acredita não ter ocorrido ainda. Apo 22.1-2 confirma isso. Se, como parece, Ezequiel, Zacarias e o Apocalipse descrevem o mesmo rio, então um cenário interessante emerge.

Esse cenário requer que um Templo esteja presente no dia em que o Senhor retornar, mas como o atual Monte do Templo será destruído pelo terremoto mencionado acima, esse Templo tem que estar em outro lugar. O rio se origina sob o Templo e corre do seu lado sul seguindo naquela direção antes de se direcionar para leste e oeste, então o Templo tem que estar ao norte do recém criado vale.

Onde Estão as 12 Tribos?

Se traçarmos em um mapa de Israel as porções de terra dadas às 12 tribos no capítulo 48 de Ezequiel, isso colocará os limites da Cidade Santa um pouco ao norte da atual Cidade de Jerusalém. Essa nova localização é a antiga Cidade de Siló, onde o Tabernáculo esteve por cerca de 400 anos após os Israelitas conquistarem pela primeira vez a terra. Esta é a Cidade Santa e seu nome é Jehovah Shammah, de acordo com o último verso de Ezequiel. Traduz-se o hebraico como “o SENHOR está aqui”.

Se a minha interpretação está correta, essa localização cumpriria os requisitos para o Templo mencionado nas referências acima. O atual Monte do Templo em Jerusalém não.

De acordo com Ezequiel 44:6-9, esse Templo será profanado de uma forma nunca vista antes na história, portanto em um tempo ainda futuro para nós. Um estrangeiro incircunciso no coração (nem cristão) e na carne (nem judeu) terá sido encarregado do santuário para oferecer sacrifícios. Se nós entendemos a cronologia de Ezequiel, isso acontecerá após a reunião de 1948 profetizada nos capítulos 36-39 e o chamado nacional ao despertamento profetizado nos capítulos 38-39, mas antes de o Reino Milenar começar. O único evento que conhecemos que se encaixa na cronologia é a Grande Tribulação. Isso é confirmado pela profecia de Paulo em 2 Tes 2.4, onde o anticristo se estabelece no Templo proclamando-se deus.

Eis, então, um esboço dos eventos. Em seguida ao retorno de Israel para Deus, após a batalha de Eze 38-39, o povo judeu restabelecerá seu concerto (o Antigo não o Novo) com Ele. Isso exigirá um retorno às práticas levíticas e um Templo será construído. Esse é o Templo mencionado em Daniel e Apocalipse. Seguindo instruções dadas por Ezequiel e precisando evitar os enormes problemas que um Templo em Jerusalém criaria no mundo muçulmano, esse Templo será localizado ao norte de Jerusalém em Siló. Ele será profanado na metade dos últimos sete anos, como delineado em Dan 9.24-27, Eze 44.6-9, Mat 24.15 e 2 Tes 2.4, dando início à Grande Tribulação, mas ele não será destruído.

Esse Templo será a fonte da água viva que começará a fluir no dia em que o Senhor retornar (Zac 14.8). Após uma limpeza e rededicação similar à que é lembrada na Festa do Hanukkah, ele será usado durante o Milênio. Seu propósito será o de lembrar a obra do Senhor na cruz e prover a perspectiva para que as crianças nascidas durante a Era do Reino escolham a salvação. Atos 15.14-16 confirma que, após o Senhor escolher um povo para si mesmo dentre os gentios (a igreja), Ele retornará e reconstruirá o Tabernáculo caído de Davi (o Templo). Este é o Terceiro Templo, tão vividamente descrito em Eze 40-48. Agora vamos voltar para o Apocalipse.

Apocalipse 11:15-19

A Sétima Trombeta

E o sétimo anjo tocou a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: “Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre”.

E os vinte e quatro anciãos, que estão assentados em seus tronos diante de Deus, prostraram-se sobre seus rostos e adoraram a Deus, dizendo: “Graças te damos, Senhor Deus Todo-Poderoso, que és, e que eras, e que hás de vir, que tomaste o teu grande poder, e reinaste. E iraram-se as nações, e veio a tua ira, e o tempo dos mortos, para que sejam julgados, e o tempo de dares o galardão aos profetas, teus servos, e aos santos, e aos que temem o teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra” (Apo 11.15-18). Um dos nomes de Deus é uma expansão da grande declaração “EU SOU” de Exo 3.14. Lembre-se, Moisés queria saber o nome de Deus no caso de os israelitas lhe perguntassem quando fosse ao Egito para libertá-los da escravidão. Deus respondeu, “Assim dirás aos filhos de Israel: eu sou me enviou a vós”. João usou esse nome antes, traduzido como “Aquele que é, e que era, e que há de vir” (Apo 1.4). Note como a parte “que há de vir” foi deixada de fora da passagem. Isso porque com a 7ª trombeta o futuro chegou. O Senhor tomou o Reino que Ele comprou e pelo qual pagou na cruz, e está agora pronto para reclamá-lo. (Algumas traduções colocam a frase “que há de vir” de volta no verso 17, mas ela não está lá no texto original.)

E abriu-se no céu o templo de Deus, e a arca da sua aliança foi vista no seu templo; e houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e terremotos e grande saraiva (Apo 11.19). Mais das advertências com a assinatura de Deus sobre o julgamento iminente. No Céu a Grande Tribulação começou, e a primeira ordem de serviço é para tirar o inimigo de lá.

Apocalipse 12

E VIU-SE um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça. E estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar à luz (Apo 12.1-2). O fato de João identificá-la como sinal significa que a mulher não é real, mas representa outra coisa. E a outra coisa é Israel. Temos pistas disso em Gen 37.9-10 onde José sonha que seus familiares são o sol, a lua e 11 estrelas, sendo ele a 12ª. E como veremos em um instante, essa mulher está para dar à luz o Messias, o que torna impossível que ela seja a igreja, como alguns insistem. Jesus deu à luz a Igreja, não o contrário.

E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho. E deu à luz um filho homem que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono. E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias (Apo 12.3-6). Este sinal em dos fáceis. O dragão é aquele que liderou uma rebelião no Céu que resultou na terça parte da hoste angelical se unindo a ele. Ele tentou destruir o Messias, mas Deus O ressuscitou e o levou para o Céu. Quando eles vêem que o dragão está voltando para destruí-los, Israel dá ouvidos à advertência do Senhor em Mat 24.15 e escapa para o deserto da Jordânia onde o Senhor preparou um esconderijo para eles, enquanto Ele passa três anos e meio preparando a terra para o Seu retorno.

E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos; mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele (Apo 13.7-9). Satanás está em fuga agora. Não mais aceito no Céu, ele foi lançado para a terra, como predito em Isa 14.12 e Eze 28.17. Alguns ensinam incorretamente que isso aconteceu há muito tempo atrás, no julgamento de Satanás. Mas como Jó 1.6-7 e o verso 10 abaixo explicam claramente, Satanás tinha acesso ao Céu todo o tempo. Ele foi destituído de seus títulos e de sua posição proeminente em seu julgamento, mas até agora lhe é permitido ir e vir. E quando ele o faz, cochicha suas acusações contra você e eu no ouvido de Deus. Sempre que penso nisso, eu me conforto no fato de que nosso Senhor Jesus está cochichando no outro ouvido de Deus, fazendo intercessão por nós (Rom 8.34).

E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: “Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite. E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte.

Por isso alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo” (Apo 13.10-12). Note que como o Senhor havia feito em Apo 3.10 João distingue entre aqueles que habitam no Céu e os habitantes da terra. Isso não é devido somente à nossa localização física diferente, mas é uma indicação do estado dos nossos corações. Para a Igreja no Céu a derrota iminente de Satanás é recebida com regozijo, mas na terra é de grande ai porque a guerra chegou em sua casa. Outra pista do arrebatamento pré-tribulação.

O Reino que Satanás perdeu em sua rebelião e julgamento, e mais tarde roubou de volta do homem a quem havia sido dado (Adão) se tornou o campo de batalha para a mais inacreditável competição da história. Forças espirituais de ambos os lados se alinham invisíveis atrás de seus homólogos humanos. Eles lutarão até à morte pelo controle do Planeta Terra. Irá o usurpador que o colocou à tocha e à espada, jogando no lixo exatamente aquilo pelo que está lutando, finalmente prevalecer? Ou irá o Redentor de Sangue, cujo sangue derramado redimiu legalmente o que Adão havia perdido há tanto tempo atrás, ganhar o dia?

Nós logo veremos, mas primeiro há um último detalhe problemático com que precisamos lidar. Desde o começo, Satanás tem tentado eliminar todo traço do povo de Deus, pois eles têm o poder de chamar o Redentor.

E, quando o dragão viu que fora lançado na terra, perseguiu a mulher que dera à luz o filho homem. E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse para o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente. E a serpente lançou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, para que pela corrente a fizesse arrebatar. E a terra ajudou a mulher; e a terra abriu a sua boca, e tragou o rio que o dragão lançara da sua boca. E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao remanescente da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo (Apo 12.13-17). Depois de Sua rejeição e morte, o Senhor voltou para o Céu, de onde havia vindo. Ele jurou ficar lá até que Seu povo reconhecesse seus pecados. Ele sabia que as coisas teriam que ficar bastante difíceis antes que eles se humilhassem o bastante para chamá-lo de volta, mas que eventualmente eles o fariam (Ose 5.15-6.2). Nesse meio tempo, se Satanás puder eliminá-los, não haverá ninguém mais para requisitá-Lo.

E assim tem sido. Usando os muçulmanos, os cristãos, os espanhóis, os russos, os alemães, os italianos, os ingleses, e agora o muçulmanos novamente, Satanás tem estado obcecado em livrar o mundo de seus judeus. Ele sabe que se conseguir alcançar isso antes que eles acordem e chamem o Nome de Jesus, terá vencido.

Quando trouxer Gogue e Magogue em um ataque surpresa ele quase terá sucesso, mas Deus intervirá e os salvará. Espantosamente isso os trará de volta para Ele, mas ainda cegos quanto ao Messias. Aqui Satanás está usando uma torrente de água, como a que Deus usou contra seus guerreiros híbridos 5000 anos antes, mas a terra coopera com seu Criador e engole a água. Os judeus estão a salvo novamente. Furioso, Satanás se volta para os Santos da Tribulação. Mais na próxima vez.