Apocalipse 8 - 9

Um estudo Bíblico por Jack Kelley – www.gracethrufaith.com

Apocalipse 8

O primeiro ciclo de juízos está terminando. Os 144.000 foram comissionados e um enorme grupo de mártires chegou ao Céu. Em muitas partes da terra a guerra arrasa descontrolada, com seu vigia fome e pestilência, e ainda em outras partes a paz continua a prevalecer. Aqueles afortunados o bastante para desfrutá-la são levados a pensar que logo o resto do mundo também se acalmará e será tudo como de costume. Como o anticristo ainda não foi revelado como o homem de Satanás para o Planeta Terra, muitos ainda o vêem como um talentoso líder mundial fazendo seu melhor para restaurar a ordem, e apesar das mortes sem precedentes e de todas as pessoas desaparecidas, eles ainda lhe conferem altos índices.

Mas no Céu a história é diferente, pois Deus está para liberar os juízos das 7 Trombetas. Não lhe dá prazer fazê-lo. Mas ruins como foram, os juízos dos 7 Selos, agora em processo de conclusão, simplesmente não foram severos o suficiente para virar o teimoso coração dos homens em direção a Ele. Infelizmente, Ele sabia disso o tempo todo, mas isso não facilita as coisas. Se tão somente Ele não os amasse tanto, poderia simplesmente deixá-los destruir um ao outro. Mas enquanto Sua retidão demanda justiça, Seu amor exige que Ele continue a tentar salvá-los.

O Sétimo Selo e o Incensário de Ouro

“E, HAVENDO aberto o sétimo selo, fez-se silêncio no céu quase por meia hora.

E vi os sete anjos, que estavam diante de Deus, e foram-lhes dadas sete trombetas.

E veio outro anjo, e pôs-se junto ao altar, tendo um incensário de ouro; e foi-lhe dado muito incenso, para o pôr com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro, que está diante do trono. E a fumaça do incenso subiu com as orações dos santos desde a mão do anjo até diante de Deus. E o anjo tomou o incensário, e o encheu do fogo do altar, e o lançou sobre a terra; e houve depois vozes, e trovões, e relâmpagos e terremotos” (Apo 8.1-5). A meia hora de silêncio enche o Céu com um senso de antecipação, como se os anjos estivessem prendendo a respiração, aguardando que o Senhor aja. Os crentes pós-arrebatamento na terra também sabem o que está por vir, e suas urgentes orações sobem diante do Trono em uma gigantesca nuvem de incenso.

Mas o tempo da graça terminou com o Arrebatamento. Este é o tempo da justiça e enquanto o anjo atira fogo do altar, Deus anuncia os juízos vindouros em Sua forma tradicional, com trovões, relâmpagos e terremotos.

As Trombetas

“E os sete anjos, que tinham as sete trombetas, prepararam-se para tocá-las.

E o primeiro anjo tocou a sua trombeta, e houve saraiva e fogo misturado com sangue, e foram lançados na terra, que foi queimada na sua terça parte; queimou-se a terça parte das árvores, e toda a erva verde foi queimada” (Apo 8.6-7). Recordando as pragas do Egito, o primeiro juízo é sobre a terra. O fogo se lança sobre um terço da Terra, a fumaça acre do mato e das árvores enchendo os céus acima.

“E o segundo anjo tocou a trombeta; e foi lançada no mar uma coisa como um grande monte ardendo em fogo, e tornou-se em sangue a terça parte do mar. E morreu a terça parte das criaturas que tinham vida no mar; e perdeu-se a terça parte das naus” (Apo 8.8-9). Este juízo parece ser um gigantesco asteróide ou meteoro se chocando contra os oceanos da Terra. Isso aconteceu à Terra centenas de vezes em sua história. A última foi em 9 de junho de 2006, quando um meteoro atingiu o norte da Noruega com uma força de impacto igual à da bomba atômica lançada sobre Hiroshima, no Japão.

Os astrônomos estão atualmente observando 736 potencialmente perigosos objetos Próximos da Terra (NEO). No momento não se espera a colisão de nenhum deles com a Terra, mas esses cientistas nos acautelam de que os NEO’s normalmente aparecem repentinamente e com muito pouco aviso. Quantos de nós sabíamos que um estava para atingir a Noruega?

O choque do meteoro referido nesta passagem causa surpreendente devastação, tornando um terço dos oceanos do mundo numa cor vermelha venenosa, matando um terço da vida marinha e destruindo mais de 43.000 navios (Em 2005 haviam 130.000 navios registrados em 195 países).

“E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas. E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas” (Apo 8.10-11). Agora o juízo recai sobre o suprimento de água doce do mundo. Um terço dele se torna venenoso por causa de algo como uma estrela cadente que caiu do céu. A estrela é chamada de Absinto, da palavra grega absinthos. Por causa disso, alguns comentaristas crêem que o agente que torna as águas venenosas é a contaminação radioativa.

Eles dizem isso porque, apesar de não estar livre de controvérsia, a palavra russa chernobil pode ser traduzida como Artemísia (absinto) e em 25 e 26 de abril de 1986 o pior desastre nuclear do muno ocorreu na cidade ucraniana com aquele nome. Um reator nuclear da usina de Chernobyl explodiu durante testes, liberando quantidades de chuva radioativa na atmosfera 300 vezes maiores do que a bomba atômica que explodiu em Hiroshima. Se você assistiu o filme “Síndrome da China” já sabe que reatores fora de controle podem se “entocar” na terra uma vez que isso aconteça são impossíveis de parar.

Não há notícia oficial quanto a ter isso acontecido ou poder acontecer em Chernobyl. Mas esforços de contenção ainda estão sendo feitos 20 anos depois, e se os aqüíferos europeus ficarem contaminados, é fácil ver como esse ponto de vista de Apo 8.11 pode ser preciso.

“E o quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, e a terça parte da lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhasse, e semelhantemente a noite” (Apo 8.12). Entre a fumaça do fogo no mato e nas árvores e as partículas atiradas no ar pelo choque do meteoro, a atmosfera se tornou tão densa que um terço da luz dos corpos celestiais é bloqueada. Isso me lembra uma reportagem de TV sobre o fogo que as tropas de Saddam Hussein atearam nos campos de petróleo do Kuwait enquanto se retiravam em direção ao final da Guerra do Golfo. A fumaça era tão densa que como noite durante o dia, o sol como uma escura bola vermelha no enegrecido céu. É quase assim que as coisas ficarão enquanto o mundo aguarda a quinta trombeta.

“E olhei, e ouvi um anjo voar pelo meio do céu, dizendo com grande voz: Ai! ai! ai! dos que habitam sobre a terra! por causa das outras vozes das trombetas dos três anjos que hão de ainda tocar” (Apo 8.13). Esse não é um anjo comum. O texto grego usa a palavra normalmente traduzida como anjo, indicando algum tipo de mensageiro sobrenatural, enviado para preparar o mundo para o que está à frente. Quatro das trombetas soaram, e a Terra está se recuperando desse ataque. Mas agora os juízos se tornam sobrenaturais e são dirigidos ao próprio homem. Está para ficar pessoal.

Apocalipse 9

“E O QUINTO anjo tocou a sua trombeta, e vi uma estrela que do céu caiu na terra; e foi-lhe dada a chave do poço do abismo. E (ele) abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço, como a fumaça de uma grande fornalha, e com a fumaça do poço escureceu-se o sol e o ar” (Apo 9.1-2). Essa estrela havia caído algum tempo antes da trombeta do 5º anjo, e ao usar um pronome pessoal, João a identifica com um ser vivo. Em Luc 10.18 Jesus disse que Ele havia visto Satanás cair do Céu como um relâmpago, então pode-se assumir que a estrela é Satanás e que lhe foi ordenado abrir o poço do Abismo para liberar um enxame de “gafanhotos”.

“E da fumaça vieram gafanhotos sobre a terra; e foi-lhes dado poder, como o poder que têm os escorpiões da terra. E foi-lhes dito que não fizessem dano à erva da terra, nem a verdura alguma, nem a árvore alguma, mas somente aos homens que não têm nas suas testas o sinal de Deus. E foi-lhes permitido, não que os matassem, mas que por cinco meses os atormentassem; e o seu tormento era semelhante ao tormento do escorpião, quando fere o homem. E naqueles dias os homens buscarão a morte, e não a acharão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles.

E o parecer dos gafanhotos era semelhante ao de cavalos aparelhados para a guerra; e sobre as suas cabeças havia umas como coroas semelhantes ao ouro; e os seus rostos eram como rostos de homens. E tinham cabelos como cabelos de mulheres, e os seus dentes eram como de leões. E tinham couraças como couraças de ferro; e o ruído das suas asas era como o ruído de carros, quando muitos cavalos correm ao combate. E tinham caudas semelhantes às dos escorpiões, e aguilhões nas suas caudas; e o seu poder era para danificar os homens por cinco meses. E tinham sobre si rei, o anjo do abismo; em hebreu era o seu nome Abadom, e em grego Apoliom” (Apo 9.3-11). Eles não como nenhum gafanhoto jamais visto na Terra antes. Gafanhotos normais são vegetarianos, mas estes são proibidos de comer a erva, as plantas ou as árvores. Ao invés disso, eles atacam as pessoas, mas somente os descrentes, e quando o fazem eles as picam como um escorpião, causando dor tão intensa que suas vítimas pedirão a morte. E seu líder é o anjo do Abismo, cujo nome significa “Destruidor” em ambas a línguas (em um desses preciosos bocadinhos de sabedoria pelos quais a Palavra de Deus é notória, Provérbios 30.27 nos informa que gafanhotos normais não têm rei, dando crédito à idéia de que esses “gafanhotos” são algo diferente).

João certamente nunca havia visto tal coisa antes, e ao descrevê-los excedeu até mesmo os limites de sua imaginação. Você tem que apreciar a natureza de seu desafio aqui. Ele era um homem do primeiro século chamado a descrever manobras de guerra do século vinte e um. Mas ele teve que fazê-lo de tal forma que todas as gerações no entremeio pudessem interpretá-lo também. Mesmo hoje, não podemos relacionar esses assim chamados gafanhotos a nada no mundo. Claramente eles são manifestações demoníacas de algum tipo.

Então, porque eles somente atacam os descrentes? Boa pergunta. Certamente este é um juízo ordenado por Deus, mas Satanás de boa vontade soltou esses pequenos monstros sobre seu próprio povo? Foi-lhe ordenado fazê-lo ou isso é algum esquema diabólico para inflamar ainda mais o ódio das pessoas da Terra contra Deus? Afinal, Seus seguidores não estão sofrendo. Satanás fez isso deliberadamente para poder culpar a Deus, avançando sua estratégia de transformar as Trevas em Luz e a Mentira em Verdade? Um pouco mais tarde João nos informará que nenhum desses tormentos afastou o povo da Terra de seus caminhos de rebelião.

“Passado é já um ai; eis que depois disso vêm ainda dois ais.

E tocou o sexto anjo a sua trombeta, e ouvi uma voz que vinha das quatro pontas do altar de ouro, que estava diante de Deus, a qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: Solta os quatro anjos, que estão presos junto ao grande rio Eufrates. E foram soltos os quatro anjos, que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens. E o número dos exércitos dos cavaleiros era de duzentos milhões; e ouvi o número deles.

E assim vi os cavalos nesta visão; e os que sobre eles cavalgavam tinham couraças de fogo, e de jacinto, e de enxofre; e as cabeças dos cavalos eram como cabeças de leões; e de suas bocas saía fogo e fumaça e enxofre. Por estes três foi morta a terça parte dos homens, isto é pelo fogo, pela fumaça, e pelo enxofre, que saíam das suas bocas. Porque o poder dos cavalos está na sua boca e nas suas caudas. Porquanto as suas caudas são semelhantes a serpentes, e têm cabeças, e com elas danificam” (Apo 9.12-19). Tradicionalmente, o Rio Eufrates tem sido a fronteira territorial, cultural e religiosa entre o Leste e o Oeste. Raramente costumes, tradições ou filosofias cruzaram em qualquer direção. Como resultado, o mundo oriental é muito diferente em quase qualquer aspecto de seu homólogo ocidental. Esta passagem ajuda a explicar porque isso é assim. Tem havido uma barreira no mundo espiritual também. Mas com esse comando do próprio trono de Deus, a barreira cai e o efeito é mortal além de qualquer comparação.

Os combatentes liberados pela queda dessa barreira terminam por matar um terço da população restante da Terra. Lembre-se que um quarto da humanidade encontrou seu fim nos juízos dos selos. Com esse terço adicional, isso significa que mais de 3 bilhões de pessoas terão morrido quando isso acabar, e a Grande Tribulação ainda não começou.

A causa dessa destruição é a liberação dos anjos no Rio Eufrates, mas o Rio não foi secado ainda, permitindo que os Reis do Leste atravessem. Isso acontece mais tarde, em Apo 16.12. Eu acho que esta passagem está descrevendo manobras de guerra que acontecem no Oriente Longínquo, onde vive mais de 40% da população mundial (muitos em condições de aglomeração, aumentando o potencial para destruição em massa), onde tensões religiosas e étnicas são tradicionalmente altas, e onde muitos países podem montar enormes exércitos. Eu acho que é a coalizão formada pelos vencedores desta guerra que se lança através do ressecado Rio Eufrates enquanto o anticristo é distraído por outras insurgências (Dan 11.40-44).

“E os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos, para não adorarem os demônios, e os ídolos de ouro, e de prata, e de bronze, e de pedra, e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar. E não se arrependeram dos seus homicídios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos.” (Apo 9.20-21).

Você pensaria que com aqueles gafanhotos demoníacos atacando somente os não crentes e 3 bilhões de pessoas morrendo por causa de guerras e outros desastres, as pessoas estariam se arrebanhando com o Senhor em busca de conforto e segurança. Mas isso simplesmente não acontece, e eu lhe direi por quê.

Há uma crença por ai de que é tão velha quanto a humanidade, mas nos últimos dias se tornará uma religião que enganará quase todo o mundo. É chamada de Doutrina Luciferiana e entendê-la ajuda a explicar porque o mundo não se voltará para seu Criador neste pior momento da história humana. A Doutrina Luciferiana recebe seu nome, é claro, de Lúcifer, um nome latino que significa “portador de luz”. Ela sustenta que Lúcifer é o mocinho tentando iluminar as pessoas do mundo em preparação para a evolução espiritual necessária para trazer paz para toda a humanidade. De acordo coma Doutrina Luciferiana, nossa evolução física está terminada e tudo o que precisamos fazer e lançar fora as amarras do pensamento Judaico-Cristão para completar nossa evolução espiritual e entrar em nossa tão esperada Era da Utopia.

Mas sendo Lúcifer impedido em tudo isso pelo malvado Adonai (hebraico para Senhor) que, juntamente com Seus seguidores, está trabalhando para malograr o grande plano de Lúcifer, exigindo de todos que adiram à sua religião reacionária, efetivamente evitando nossa evolução espiritual. A fim de a humanidade alcançar a Utopia, aqueles que insistem em se agarrar à sua obsoleta fé Judaico-Cristã têm que ser eliminados. A Grande Tribulação é caracterizada na Doutrina Luciferiana como o último grande esforço do ímpio Adonai de destruir o “portador de luz” da humanidade e evitar nossa ascensão à Utopia, nos mantendo amarrados a Ele.

Em seguida ao desaparecimento da igreja a Verdade se tornará bastante escassa na Terra e todo o mundo será levado a crer na Doutrina Luciferiana, exatamente como Paulo preveniu que iria acontecer (2 Tes 2.9-12). Então, naturalmente, pensando que o Senhor é o bandido, eles se tornam ainda mais intensos em sua adoração a Lúcifer, esperando que ele prevaleça e traga um fim para o seu sofrimento (“Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte” Pro 14.12). Lúcifer, é claro, é também largamente conhecido como Satanás ou O Diabo.

Na próxima vez aprenderemos acerca das duas testemunhas, descobriremos onde o Novo Templo será construído e testemunharemos o evento no Céu que sinaliza o começo da Grande Tribulação. Nos vemos então.