Vamos Falar da Turquia

Comentário por Jack Kelley – www.gracethrufaith.com

Como o Novo Testamento nos chegou primeiramente na língua grega, é natural associar os livros que seguem os Evangelhos com a Grécia. Lembrei-me de sua verdadeira origem por um comentário de nossa guia ao visitarmos a Catedral de Santa Sofia em Istambul, Turquia. “Muito do Novo Testamento”, ela disse, “foi escrito na Turquia ou para pessoas turcas”. Relembrando que a província romana da Ásia mencionada na Bíblia é atualmente chamada de Turquia, ela está certa.

Para Quem Eles Estavam Escrevendo?

Após os Evangelhos, encontramos o Livro de Atos, 21 cartas escritas por Paulo, Pedro, João, Tiago e Judas e o Livro do Apocalipse. Depois do capítulo 8, a maior parte dos Atos aconteceu no que é hoje a Turquia. Das cartas, 11 foram especificamente endereçadas a igrejas de lá e duas outras (1ª e 2ª Coríntios) foram escritas lá. Outras duas, Tiago e Judas, incluem endereços turcos entre sua distribuição geral. E, é claro, todas as 7 igrejas do Apocalipse estão na Turquia. Por contraste, uma carta foi escrita para Roma, então capital do mundo, 5 para igrejas na Grécia, uma para Creta (Tito) e uma para a comunidade Messiânica espalhada pelo mundo (Hebreus).

Como Ela é Agora?

Hoje a Turquia é 95% Muçulmana, mas seu governo é baseado em modelo secular ocidental e é controlado por militares favoráveis ao ocidente, ao invés de interesses religiosos islâmicos. O que certamente se tornará uma florescente indústria turística está em sua infância, mas aqueles que alocam fundos para obras públicas estão começando a descobrir o tremendo potencial para receita. Locais históricos e religiosos estão lentamente recebendo a atenção necessária para atrair os dólares dos turistas.

O que deve ser uma das mais estranhas alianças políticas no mundo uniu a Turquia e Israel em uma série de tratados militares e econômicos. (Observe a Turquia para ver o cumprimento da promessa de Deus a Abraão: “abençoarei os que te abençoarem” Gen 12.2-3). Essa aliança ajuda a assegurar a segurança de Israel no norte, enquanto aumenta a proteção da Turquia contra ataques por vizinhos muçulmanos não tão amigáveis que gostariam de ver o governo militar substituído por um mais simpático à agenda islâmica.

Por exemplo, carente dos recursos militares para defender a fronteira de 640 quilômetros que compartilham e atacar Israel ao mesmo tempo, a Síria não pode arriscar invadir Golã sem primeiro neutralizar a Turquia. Mas atacar a Turquia traria o arsenal nuclear de Israel à baila, então é um impasse.

Muitos comentaristas políticos sentem que enquanto seu governo permanecer secular e favorável ao ocidente, a Turquia fornece um equilíbrio de forças no Oriente Médio que evitará uma guerra generalizada independentemente do resultado das “conferências de paz”. Para os estudantes da profecia isso significa que a Turquia está adiando sozinha a batalha descrita em Eze 38-39. Os eruditos igualam a Turquia a Beth Togarmah, citado em Eze 38-39 como um participante da coalizão muçulmana que ataca Israel nos últimos dias. Se for assim, a Turquia tem que mudar de lado e renuncia a uma dúzia ou mais de tratados. De um ponto de vista estratégico, a Turquia é um dos mais importantes países do mundo agora e realmente merece ser observada.

Por Que Visitar a Turquia?

Esses fatores combinados criaram em mim um interesse especial em visitor a Turquia. A proximidade com ilha grega de Patmos (cerca de 65 quilômetros fora de sua costa) tornou-se uma combinação irresistível, provocando a idéia de uma “Viagem do Apocalipse”. A idéia era visitar os locais da 7 igrejas e então ir a Patmos por alguns dias para sentir o lugar onde o Apocalipse foi escrito. Como estávamos na área, esticamos até Istambul, Mileto, Corinto e Atenas para aproveitar.

Em minhas 6 viagens a Israel, ciceroneando cerca de 300 participantes, o melhor comentário que ouvi sobre o valor de visitar a Terra Santa é que “transforma a Bíblia de preto e branco em cores”. Eu estava ansioso para ver se o mesmo seria verdade para locais bíblicos fora de Israel, e não fiquei desapontado.

Um Exemplo Oportuno

Eu não esperava muito de Atenas. Mas quando fiquei diante do Monte Marte e me voltei para a Acrópole, aquele enorme e intimidador símbolo da riqueza e poder da Grécia pagã, li novamente o discurso de Paulo no Areópago, a “Suprema Corte” do pensamento filosófico e religioso (Atos 16.22-34). Senti novamente o poder do evangelho, um poder que capacitou um homem, um judeu, para desafiar um sistema religioso de 400 anos tão arraigado que alguns relatam ter havido mais de 30.000 estátuas de deuses pagãos em Atenas. Foi dito que em Atenas “é mais fácil se encontrar um deus do que um homem”. Ainda assim, por causa daquele discurso alguns homens creram, uma pequena congregação começou e um proeminente membro do Areópago, um homem chamado Dionísio, se tornou seu Bispo. Essa pequena congregação cresceu até se tornar a denominação que hoje conhecemos como a Igreja Ortodoxa Grega.

Este é somente um exemplo entre muitos que me impactaram enquanto o Senhor nos guiava através da Turquia Ocidental até a Grécia. Eu falarei de outras quando relatar nossa visita às Sete Igrejas do Apocalipse, na próxima vez.