Homossexuais no Arrebatamento

Comentário por Jack Kelley

Uma pergunta recente sobre se crentes homosexuais serão levados no Arrebatamento ou não realmente deflagrou alguns comentários interessantes, mesmo inflamados.

Ao iniciarmos este estudo, vamos esclarecer uns poucos pontos. Viver um estilo de vida homossexual é viver em pecado. Tanto o Antigo quanto o Novo Testamentos deixam isso claro. Mas todos os crentes são pecadores e estamos todos vivendo em pecado de algum tipo. Metade de nós que nos casamos também nos divorciamos. O percentual de mulheres Cristãs que fizeram aborto é o mesmo das não crentes. Muitos de nós temos pecados que simplesmente não conseguimos parar de cometer (Esses são às vezes chamados de pecados acariciados). Alguns realmente não querem parar de cometer esses pecados, mas muitos têm "clamado ao Senhor em pano de saco e cinzas" por livramento e ainda não conseguem parar.

Não se trata de um fenômeno novo. Alguns dos grandes heróis da Bíblia tiveram problemas com pecados que não conseguiam controlar. Moisés tinha dificuldades com seu temperamento, Davi tinha uma fraqueza por mulheres e chegaremos a Paulo em um minuto.

Simplesmente Faça
Se você não tem pecados acariciados, louve ao Senhor. Mas desconsiderar o problema de outras pessoas dizendo que deveriam simplesmente parar de pecar mostra uma flagrante falta de sensibilidade. Isto é especialmente verdade já que milhões de crentes têm passado anos tentando sem sucesso para de fazer coisas como fumar, beber em excesso, ver pornografia, etc. Outros não conseguem controlar sua raiva, luxúria, gula, ou inveja. Você negaria a todos eles participação no arrebatamento? Talvez na próxima vez que você ouvir sobre alguém que está lutando contra o pecado devesse tirar algum tempo para ponderar sobre o antigo ditado, "Sigo, mas pela graça de Deus". E se você não tem pecados que não consegue evitar, porque está pecando?

Se você é parte da vasta maioria que luta regularmente com um pecado acariciado, pode entender a luta de outros como você. Paulo tinha isso em mente quando escreveu Romanos 7:14-25.

Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado. Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço. E, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa. De maneira que agora já não sou eu que faço isto, mas o pecado que habita em mim. Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem. Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim.

Por favor, leia isto atentamente. A julgar pelos padrões de alguns crentes de quem tenho recebido email ultimamente, Paulo se identifico como um pecador não arrependido nesses versos, porque ele continua a fazer coisas que sabe que não deveria estar fazendo. Eles diriam que ou ele não está qualificado para ir no arrebatamento ou irá passar o Milênio nas trevas exteriores, aprendendo a ser um vencedor. (Não me faça começar com isso.)

Mas a reação de Paulo foi totalmente diferente. Ele disse que quando estava pecando, não estava sendo ele mesmo. Em outras palavras, não era Paulo quem estava pecando, mas a natureza pecaminosa que habitava nele. Ele disse aos Coríntios que quando aceitaram o Senhor se tornaram uma nova criatura. Ele disse que aos olhos de Deus a pessoa que eles haviam sido antes desaparecera e que eram agora uma pessoa completamente nova. Ele disse isso porque Jesus, que não conheceu pecado, se tornou pecado por eles, eles eram agora tão justos quanto o próprio Deus (2 Cor 5:17,21)

Eis O Que Paulo Quis Dizer
Quando Jesus foi para a cruz, tomou todos os pecados da nossa vida com Ele (Col. 2:13-14). Isso significa passado, presente e futuro, desde o primeiro até o último. Esta é uma das coisas que tornam o Novo Concerto muito melhor do que o Antigo. Todo ano no Yon Kippur, os pecados passados de Israel eram propiciados e o registro era limpo. Mas eles imediatamente começavam a pecar novamente e assim no ano seguinte tinham que fazer tudo outra vez, e no ano seguinte e no próximo, e assim por diante. Isso porque é impossível para o sangue de bois e carneiros tirar o pecado (Heb. 10:3-4).

Mas Jesus ofereceu um sacrifício de uma vez por todas, passado, presente e futuro. Se você nasceu de novo, todos os pecados da sua vida foram identificados e a propiciação foi feita. Foi isso o que Jesus quis dizer quando disse, "Está consumado" (João 19:30). Tudo o que resta a você é aceitar e acreditar. Se você parar para pensar por um momento, verá que este é o único modo que poderia ser, porque nenhum de nós pode parar completamente de pecar e não há mais sacrifícios sobrando. Ou o sangue do Senhor pagou todos os pecados da nossa vida, ou senão foi um exercício de futilidade e estamos todos irrevogavelmente perdidos.

É por isso que em todas as exortações de Paulo para irmos além da salvação e lutar pela vitória sobre a natureza pecaminosa, ele nunca nos ameaçou com a perda da nossa salvação por falharmos. De fato, um de seus mais fortes apelos era que lutássemos para viver à altura do que já alcançamos (Fil. 3:16). Em outras palavras, nos tornarmos de fato o que já somos na fé. Mas mesmo ele não conseguia fazê-lo.

Acho então esta lei em mim, que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo. Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros. Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte? Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor.

Assim que eu mesmo com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado. (Rom. 7:21-25)

Aqui Paulo nos diz que por mais que tentasse "ser bom" mais sua natureza de pecado resistia. Ele amava a Lei de Deus mas sua natureza pecaminosa o tornara um prisioneiro do pecado. Que posição desesperada para se estar, condenado a uma vida desapontando Aquele a quem mais queria agradar. Mas graças ao Senhor Jesus que nos resgata do nosso corpo de morte. O novo Paulo, o Paulo que Deus via, tinha os motivos e intenções de alguém que tenta agradar a Deus, ainda que sua natureza pecaminosa o impedisse de fazê-lo. E Deus, que unicamente pode julgar o intento dos nossos corações, escolheu ver somente o novo Paulo, cujos pecados todos foram propiciados na cruz. Ele fora separado para tão longe de seus pecados quanto o Leste está distante do Oeste (Salmos 103:12). No que dizia respeito a Deus, o novo Paulo jamais pecou. Era o pecado que habitava nele quem o fazia.

E então a declaração sumária, Romanos 8:1-2.Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito. Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte.

Mais Uma Vez
Como eu disse antes, viver um estilo de vida homossexual é viver em pecado. Muitos crentes têm agonizado sobre este problema. Como alguém que não experimentou, não posso sequer imaginar sua magnitude. Eles sabem que um Deus justo não pode condenar Seus filhos por um comportamento sobre o qual não têm controle. Ainda assim, eles passaram anos em vergonha e humilhação tentando sem sucesso parar de cometer seu pecado acariciado. Alguns finalmente sucumbem à falsa conclusão de que Deus deve tê-los feito assim. Outros se rebelam como forma de dar vazão à sua frustração. E você pode imaginar quão difícil seu desafio se torna quando a sociedade em geral e até mesmo muitos que dizem ser parte da Igreja afirmam e encorajam seu comportamento como sendo nada mais do que um estilo de vida alternativo, nem melhor nem pior que qualquer outro? Contraste essa atitude com a de outros na Igreja que os tratam como leprosos, pecadores além da possibilidade de redenção. Nenhuma das opiniões é correta, então qual é a sua verdadeira condição? Porque ninguém pode lhes dizer? O que aconteceu com Romanos 8:1? Somente Jesus pode perdoar um pecado sem medo de deixar a impressão de que o aprova?

Ele nos mandou amar uns aos outros como Ele nos ama, e perdoar uns aos outros como Ele nos perdoou. Ele falava de como deveríamos tratar uns aos outros como crentes. Ele nunca falou uma única palavra que encorajasse a condenação de um irmão ou irmã. Ao contrário, Ele condenou essa atitude (Mat. 7:1-2 e Lucas 6:37). No que diz respeito à salvação, Ele disse que todo o que pedir receberá (Mat. 7:7), que todos os que confessarem o nome do Senhor serão salvos (Rom. 10:13) e que quem quer que crer nEle não perecerá mas terá vida eterna (João 3:16).

É aqui que a fidelidade do senhor entra em cena. Tendo agonizado sobre a cruz por todo ato pecaminoso de suas vidas, Ele não poderia abandoná-los agora mais do que podia então. Ele lhes deu a fé para acreditar que os salvaria (Efésios 2:8-9) e aceitou a responsabilidade de mantê-los salvos (2 Cor. 1:21-22). Quando eles caem no poço do desespero, Ele vem tirá-los (Mat. 12:11-12). Quando eles vagueiam para longe do rebanho, Ele vai à sua procura (Lucas 15:4). Tendo iniciado uma boa obra neles, Ele é fiel e a completará (Filipenses 1:6) não perdendo um deles sequer pelo caminho (João 6:38-40).

No dia do Arrebatamento todos aqueles que confiaram nEle para a salvação desaparecerão num piscar de olhos. A única coisa que a Igreja deixará para trás é nossa maldita natureza pecaminosa que nos impediu de viver a vida que desejamos. O novo corpo que receberemos não terá defeito nem mancha, assim milhões de crentes arrebatados finalmente estarão livres de seus pecados acariciados.

Nada disso tem a intenção de aprovar o pecado ou de diminuir o efeito destrutivo que ele tem em nossas vidas. Nem tem a intenção de dizer que deveríamos aprender a ficar confortáveis em sua presença. E se você está pensando que eles estão recebendo um passe livre para os seus pecados, considere que aproximadamente todas as estatísticas de saúde, acidentes ou mortalidade demonstram que chamar o estilo de vida homossexual de "gay" é na verdade um piada cruel. Isto é especialmente verdade entre os homens, onde a expectativa de vida é dezenas de anos menor, e as taxas de acidentes são muito maiores. Eles são também muito mais passíveis de serem assassinados ou de cometerem suicídio.

Quando Estevão foi apedrejado até a morte, ele caiu de joelhos e clamou, "Senhor, não lhes imputes este pecado" (Atos 7:60). Quando Jesus pendia da cruz, olhou para aqueles que o colocaram lá e orou, "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem" (Lucas 23:34). Este é o testemunho de duas testemunhas, mostrando-nos a reação apropriada aos pecadores em nosso meio. Precisamos entender que nenhum de nós poderia jamais merecer partir no Arrebatamento. Somos todos pecadores merecedores do pior tipo de julgamento. Não existe algo como um crente que seja menos merecedor do que nós somos, porque a Igreja não é uma organização baseada em mérito. Ela é baseada em fé. Quando vemos um irmão ou uma irmã lutando com o pecado deveríamos estar orando por eles ao invés de condená-los. Poderia facilmente sermos nós naquela situação.

Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.(João 13:34-35) Selah 06-12-08