A Questão da Segurança Eterna - Uma Visão Geral

Periodicamente nós tocamos em questões difíceis ou controversas nesses artigos e as resolvemos através das escrituras. Em cada caso começamos a partir da perspectiva de que a Bíblia é a Palavra inspirada de Deus e, como tal, não pode contradizer a si mesma. Então, se pensamos ver uma contradição, o problema está com o nosso entendimento, não com a Palavra de Deus.

Quão seguro você está?
Uma das controvérsias na Igreja tem sido se a salvação é irrevogável depois de ser concedida (segurança eterna) ou se podemos por palavra ou atitude perdê-la ou rejeitá-la (segurança condicional). Este é um assunto que tem assolado a Igreja desde o início.

 

Que Escola Você Freqüentou?
Entre os Cristãos que ao menos consideram o assunto (tragicamente muitos não o fazem) há essencialmente duas escolas de pensamento.

 

A Doutrina da Eleição sustenta que você não escolheu Deus, Ele escolheu você. Como você não escolheu ser salvo, você não pode recusar ou rejeitar a salvação (isso é chamado de graça irresistível). Deus escolheu você e Ele o escolheu para sempre. Esse ponto de vista confunde Israel, que não teve uma escolha quanto a um relacionamento com Deus, com a Igreja, que teve (Rom 11:25-29). Ela é filha da Teologia da Substituição.

A Doutrina da Agência sustenta que qualquer um pode escolher ser salvo, mas como você escolheu receber a salvação, pode perdê-la ou rejeitá-la depois através de palavras ou atos. Alguns proponentes deste ponto de vista discutem que se você perder ou rejeitá-la, jamais terá uma nova chance.

Essas posições estão ambas certas no que declaram: Eleição - você é salvo para sempre; e Agência - a decisão é sua (Efésios 1:13-14). Ambas estão erradas no que elas negam: Agência - você não é salvo para sempre; Eleição - a escolha não é sua.

A controvérsia provavelmente se deve à dificuldade do homem em entender duas verdades básicas: a natureza incondicional do amor de Deus e a relação entre Deus e o tempo (2 Ped 3:8-9).

Primeiro o Seu Amor
Independentemente de sua posição teológica, uma coisa fica clara ao ler o Antigo Testamento. De todas as tentativas de Deus de se relacionar com Sua criação, nenhuma teve sucesso. Isso se deve à falha básica causada pela queda do homem no Jardim: sua pecaminosidade inerente. O homem é simplesmente incapaz de alcançar os padrões de Deus, assim, cedo ou tarde, Deus teve que se afastar para evitar destruí-lo por completo. Ele nos ama tanto que não pode nos deixar desesperadamente perdidos e, ainda assim, Ele não pode violar Suas leis para nos salvar. Esta é uma situação impossível. É por isso que, quando Pedro perguntou "Quem pode se salvar", o Senhor respondeu "Para o homem isso é impossível, mas não para Deus" (Marcos 10:27).

A fim de ser um Pai para Seus filhos, Ele teve que encontrar uma forma de eliminar o problema do pecado que não fosse complacente com o nosso comportamento nem contrária à Sua lei. E Ele teve que fazê-lo de uma vez por todas. O fato brutal  é que se Ele tornasse qualquer parte da nossa salvação condicional aos nossos pensamentos e atos subseqüentes, nós estaríamos todos irremediavelmente perdidos dentro de 24 horas.

Contido no Antigo, Explicado no Novo
Você diz "porque o Antigo Testamento está cheio de estórias sobre a desobediência do homem seguida pelo julgamento de Deus? Não é isso um padrão que Ele está nos mostrando?" Boa pergunta. Eis a resposta:

  1. O Antigo Testamento foi antes da cruz e
  2. o padrão era para nos ensinar que nada senão a cruz poderia satisfazer as exigências de Deus (Atos 4:12).

Em 1400 anos do mais elaborado sistema de obras religiosas já imaginado (o próprio Senhor oficiando na maior parte delas) com edifícios custando mais do que qualquer um poderia pagar hoje, nem uma única pessoa foi salva até que o próprio sangue do nosso Criador foi derramado na cruz. Obviamente, alguns nasceram e morreram antes daquele evento, e muitos outros nasceriam e morreriam depois, então Ele teve que tornar Sua morte suficiente por todos os tempos (Heb 7:27). Por causa disso, tudo que qualquer um precisava fazer era pedir com fé para receber. Qualquer um pode pedir, e todos os que pedem recebem. É a obra dEle que nos salva e nos mantem, não a nossa.

Sobre o Tempo
Sobre a questão do tempo, o entendimento pela ciência só veio em nossa geração, muito depois desses pontos de vista teológicos serem formados. Simplificando, o tempo é uma propriedade física, à qual os seres físicos estão sujeitos. Deus é um espírito, não um ser físico. Ele não somente tem muito tempo, Ele nem sequer é governado pelo tempo. Ele pode ver o fim do começo, e tudo no meio. Ele conhecia cada pecado da nossa vida antes de criar a terra. Ele também sabia que você iria pedir o Seu perdão por todos esses pecados. Quando Ele foi para a cruz, levou todos os nossos pecados consigo, e pagou por eles lá, de forma que quando você pedisse ele pudesse perdoá-lo imediatamente (até mesmo a fé para pedir foi um dom dado por ele).

Santo e Irrepreensível, Sem Marcas ou Manchas
Se você pediu a Ele para ser seu Salvador não há pecado que possa cometer em toda a sua vida que O faça revogar sua salvação, porque não há pecado que Ele já não conheça. E isso significa que não há pecado pelo qual Ele já não tenha pago. Se Ele lhe deu a fé para pedir, Ele usará essa mesma fé para sustentá-lo. Enquanto morria, Ele disse "Está consumado". Ele falava da obra de salvar você.