Alem do Dízimo ... Vivendo a Vida Abundante

Para que em tudo enriqueçais para toda a beneficência, a qual faz que por nós se dêem graças a Deus. (2 Cor 9:11)

Um Estudo Bíblico por Jack Kelley

Não pedimos contribuições aqui, portanto, não se trata disso. Do que se trata é o incrível abismo entre as promessa da Bíblia e a experiência dos crentes. A despeito de passagens como João 10:10, o Cristão médio não vive melhor do que seu equivalente descrente e, na opinião de muitos, ele vive ainda pior. A simples observação indicaria que aqueles que excedem a média o fazem mais por causa de suas habilidades seculares do que por sua piedade (Felizmente, alguns são graciosos o bastante para dar o crédito a Deus). E não queremos nem mesmo mensionar a porção de nossa "vida abundante" que se torna possível através da aquisição de dívidas ao invés de riquezas.

Ainda assim, como os advogados do assim chamado "evangelho da prosperidade" são rápidos em apontar, a Bíblia está cheia de promessas de bênçãos materiais para o fiel. Acontece que eles devem ter a idéia certa mas estão apelando para os motivos errados. E, como você sabe, com o Senhor, motivo é tudo o que importa. Eis aqui o que quero dizer.

Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes. (Malaquias 3:10)

Na área financeira existem dois princípios Bíblicos que os Cristãos violam rotineiramente. O fazê-lo nos impede de viver a vida abundante que a Bíblia promete aqui na terra, e nos privará de tesouros no Céu. A primeira é a lei do dízimo. Como um grupo estamos tão abaixo das expectativas que não admira não estarmos sendo abençoados.

É uma questão simples. O Senhor vê 10% de nossa renda como pertencente a Ele (Levítico 27:30). Quando o devolvemos, estamos fazendo simplesmente o que é exigido. Mas muito poucos de nós o fazemos. A média é menos de 3% e cerca de metade de todos os crentes nascidos de novo jamais devolvem seu primeiro centavo. Os Cristãos do Novo Testamento que foram levados a crer que a lei do dízimo foi cancelada na cruz têm custado a si mesmos a perda de bênçãos indescritíveis em troca de reter a insignificante quantia que o Senhor pede como expressão de nossa gratidão pelo que Ele nos deu.

Antes de começar a dizimar, eu não podia imaginar qualquer pessoa fazendo-o. Mas eu era um Cristão novinho e queria ser obediente, então eu me resignei e tirei os primeiros 10% de cada pagamento e dei ao Senhor. Eu não me preocupei com a questão de antes do impostos, depois do imposto ou deduções porque fui ensinado que você não pode dar de menos para Deus. Problemas financeiros não ocorrem porque damos demais, mas porque damos de menos. Então orei para que Ele "esticasse" os outros 90% para fazer todo o necessário. Foram necessários alguns ajustes da minha parte, mas Ele foi fiel a Suas promessas. Agora eu jamais consideraria reter qualquer parte do meu dízimo.

Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo. (Lucas 6:38)

É o Mínimo Que Eu Posso Fazer
Então aprendi que o dízimo é o requisito mínimo. É o que você faz com o restante do seu dinheiro que realmente conta. Dizem que não é quanto você ganha que importa, mas quanto consegue guardar. Para os crentes, isso não realmente verdade. Deveria ser algo assim. Não é quanto você ganha que importa, mas o quanto você consegue dar. Isto porquê com a medida que você usar, será medido para você.

Como eu disse, você não pode dar demais para o Senhor. Torna-se um jogo para ver quanto você consegue dar. Você começa a procurar por maneiras de diminuir suas dispesas para poder dar mais e, quando você o faz, o Senhor faz uma quantia ainda maior ficar disponível para você dar. Como com tudo o que o Senhor nos dá, há um suprimento inesgotável de riquezas e devemos ser um canal, não uma represa.

E isso me traz ao segundo princípio. É uma questão de duas pequenas palavras que ignoramos. As palavras são "para que" e elas são encontradas em 2 Cor 9:11. Para que em tudo enriqueçais para toda a beneficência, a qual faz que por nós se dêem graças a Deus.

(N.T.: A idéia desta passagem torna-se mais clara em uma tradução mais próxima do original como a da versão King James: "Sereis feitos ricos de todas as formas para que possais ser generosos em todas as ocasiões e, através de nós, a vossa generosidade resultará em ações de graças a Deus." - tradução livre - ênfase acrescentada).

O Senhor não nos prometeu riqueza para que pudéssemos mimar e estragar a nós mesmos com quantidades obscenas de luxos e brinquedos. Ele prometeu que seríamos ricos de todas as formas para que pudéssemos ser generosos em todas as ocasiões. Há uma relação de causa e efeito ação aqui. Sermos feitos ricos é para o propósito de sermos generosos. Esta é a Lei Divina da Reciprocidade. O Senhor é generoso conosco e nós pagamos a Ele sendo generosos com os outros. Isso O faz ser mais generoso conosco, permitindo que sejamos mais generosos com os outros, e assim por diante. Falhando em ser generosos, violamos a Lei da Reciprocidade e impedimos o fluxo de recursos. E Lembre-se, dizimar não é ser generoso. É cumprir o mínimo.

"Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração." (Mat. 6:19-21)

"Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?

Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus." (Lucas 12:20-21)

Você vê, a idéia não é acumular riquezas para nós mesmos aqui onde passaremos somente 70-80 anos. A idéia é trocar a riqueza terrena que nos for dada por tesouros no Céu onde passaremos a eternidade.

Agora, antes que você diga, "Tudo bem, Senhor, me faça rico para que eu possa começar a ser generoso," lembre-se que Ele disse que àqueles que são fiéis no pouco será dado mais, e àqueles que não são, até o pouco que têm lhes será tirado. Então, isso é progressivo e temos que começar onde estamos. Não é para que o Senhor possa ver como respondemos. Ele já sabe. É para que nós possamos ver como nós responderemos. Quando vemos que somos naturalmente egoístas e auto-centrados, devemos pedir a Ele para nos ajudar a mudar. Se não, o processo se quebra e eventualmente para. Talvez esta seja a razão porque, tendo recebido tanto, acabamos com tão pouco.

Sacrifício? Que Sacrifício?
Tenho notado que aqueles que trocam a riqueza terrena pelos tesouros no Céu não falam sobre os sacrifícios que estão fazendo, nem de seus tesouros celestiais, mas da alegria que vem de dar. Eles aprenderam que a razão porque Deus os está fazendo mais ricos é para que eles possam ser mais generosos. Ao invés de apelar para Deus por dinnheiro para o pagamento de sua segunda hipoteca que fizeram para que pudessem remodelar a cozinha novamente, eles estão pedindo a Ele o dinheiro para ajudar o missionário que acabaram de conhecer, porque estão ansiosos para ser parte da obra de Deus e querem ajudar onde puderem.

Minha ênfase recente na Segurança Eterna me mostrou que existem muitos Cristãos por ai tentando diminuir a população no Céu excluindo todos aqueles de cujo comportamento eles não gostam. Mas onde estão aqueles que deveriam estar nos exortando a aumentar a qualidade da nossa experiência eterna, a não pagar pelo dom gratuito da salvação, mas, ao contrário, a prosseguir para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus (Fil. 3:14)? Em nossa mentalidade terrena, transformamos a salvação no alvo, não no meio para alcançar o alvo, que é a vida eterna. Por causa disso a maioria de nós nunca dá um minuto de reflexão sobre princípio Bíblico de trabalhar aqui para acular tesouro lá.

Mas com tanta conversa de Tempos do Fim à nossa volta que até a imprensa secular está começando a notar, já passou a hora de começarmos a desenvolver uma perspectiva eterna. A final de contas, tudo vai acontecer em breve. Devemos superar nossa visão imatura da vida abundante como sendo um fluxo hedonístico de confortos criados e atividades de laser. A invés disso, precisamos vê-la como experimentar a alegria de dar, com o Senhor aumentando a nossa capacidade à medida que aumentamos o nosso desejo, vivendo vidas verdadeiramentes recompensadoras e significativas aqui, enquanto acumulamos tesouros para nós mesmos na eternidade.

É aí que os pregadores do evangelho da prosperidade erram o alvo. Pregando sua filosofia de "dar para receber" de uma perspectiva terrena é enganador na melhor das hipóteses, e serve para enriquecer somente os pregadores. Ao contrário, eles deveriam estar pregando sobre dar na Terra para acumular tesouros no Céu, onde ele conta, enriquecendo tanto o doador quanto o recebedor.

Dê-Nos Um Exemplo
Conheço um casal Americano aqui no México que gostaria que todos conhecessem. Eles vieram com 20 e tantos anos de idade, cerca de 12 anos atrás, para reabrir um orfanato moribundo. Eles nunca haviam tocado um orfanato e não estavam (e ainda não estão) sendo patrocinados por nenhum grupo ou organização. Eles simplesmente ouviram o chamado do Senhor e responderam.

Desde então eles criaram e educaram quase 500 crianças até o colegial, em um país onde as crianças, em média, desistem depois do 6º ano. Ao mesmo tempo eles aumentaram o tamanho do orfanato em um fator de 4, com 120 crianças atualmente em residência, construiram e deram gratuitamente uma dúzia de casas para residente necessitados da comunidade e são um de seus maiores empregadores. Tudo com dinheiro que o Senhor enviou para eles porque eles aprenderam a Lei da Reciprocidade. E por causa deles, milhares de Americanos, de igrejas por todo o país, visitam nossa pequena cidade a cada ano para ajudar no orfanato, realizar projetos comunitários e compartilhar o evangelho. Se você lhes perguntar sobre os sacrifícios que fizeram, eles lhe contarão sobre a vida abundante que têm vivido.

Você pode imaginar uma vida mais recompensadora? Ou o tesouro no Céu que eles estão acumulando? Não é tarde demais para desenvolver uma perspectiva eterna e começar a viver a sua versão da vida abundante. Mas em breve será. Não perca. Selah 28-10-06